Mãe e viúvo de Paulo Gustavo criticam veto de Bolsonaro à lei que leva nome do ator

Compartilhe

Foto: Reprodução/Internet
Foto: Reprodução/Internet

MÔNICA BERGAMO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O médico Thales Bretas, viúvo de Paulo Gustavo, criticou o veto do presidente Jair Bolsonaro à lei que leva o nome do humorista e que destinaria R$ 3,86 bilhões de dinheiro federal para estados e municípios ajudarem o setor cultural a se recuperar dos impactos da crise causada pela pandemia da Covid-19.

“Que tristeza ver nosso país tão desarticulado politicamente. Sem saber defender os interesses da cultura e o bem-estar do povo”, escreveu ele no Stories do Instagram.

A mãe de Paulo Gustavo também se manifestou nas redes sociais. Dea Lúcia Amaral publicou uma montagem com uma foto do filho e de Bolsonaro. Na imagem do presidente, há um X em vermelho e a frase: você será vetado. “Que mico, hein???”, escreveu ela na legenda.

A Secretaria-Geral da Presidência afirmou que o texto da Lei Paulo Gustavo criaria despesa sem apresentar uma compensação na forma de redução de gastos. O Congresso Nacional ainda pode derrubar o veto.

O projeto foi aprovado em 15 de março no Senado. O ex-secretário especial da Cultura Mário Frias (PL), que deixou a pasta para se candidatar a deputado federal, chegou a classificar como “absurdo” o texto.

Na ocasião, Bretas e Dea celebraram a aprovação. “O PG [Paulo Gustavo] continua ajudando a cultura com a sua generosidade”, escreveu o médico. “Mario Frias, mais um mico”, debochou a mãe do humorista.

Paulo Gustavo morreu aos 42 anos em maio do ano passado, vítima de complicações da Covid-19. Casado com Bretas, ele deixou dois filhos, os gêmeos Gael e Romeu.

A Lei Paulo Gustavo previa destravar parte dos recursos do Fundo Nacional da Cultura e do Fundo Setorial do Audiovisual, fundos públicos voltados para o fomento do setor cultural.

Uma parcela do dinheiro desses dois fundos públicos, do superávit financeiro, fica represado por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal, que obriga a União a cumprir metas que limitam o déficit. Ou seja, o dinheiro está lá, mas grande parte dele não é destinado a políticas culturais.

A ideia era que esse dinheiro liberado fosse executado por estados e municípios, assim como aconteceu com a Lei Aldir Blanc.

Leia também

‘Acorda, Pedrinho’: Saiba quem é o rapaz da música que viralizou no TikTok

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dois rapazes se preparam para jogar sinuca num bar. Um deles, bigodudo, encaçapa...

Prefeito Municipal é agraciado com a comenda Monsenhor Rômulo Neves Balestrero

O Prefeito do município foi agraciado com  a Comenda Monsenhor Rômulo...

Santos de Barra de São Francisco goleia em primeiro jogo treino contra Barrense

Sob o comando do técnico Marcelo Gregório, os jogadores do Santos de Barra de São Francisco (foto), realizaram...

Decreto presidencial une estatais de infraestrutura e cria a Infra S/A

Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e publicado hoje (25) em edição extra do Diário Oficial da União...

Libertadores: Athletico-PR faz dever de casa e avança para oitavas

O Athletico-PR literalmente fez o trabalho de casa nesta quinta-feira (26) e se garantiu nas oitavas de final...

Beach tenista Denise Porto é a convidada do Sem Censura desta segunda

O programa Sem Censura desta segunda-feira (23) recebe a vice-presidente da Federação Brasiliense de Tênis e Beach Tennis,...

Torcedor é preso por importunação sexual contra duas mulheres em Nova Venécia

Dois casos de importunação sexual foram registrados no estádio Zenor Pedrosa Rocha, no interior do Espírito Santo, destaca...

Frente fria: veja a previsão do tempo para o começo da semana

  Frio na Grande Vitória — Foto: Carlos Alberto Silva/ Rede Gazeta Uma massa de ar polar derrubou as temperaturas...