Maduro denuncia “totalitarismo digital” após ter conta no Facebook bloqueada

O Ministério de Comunicação e Informação da Venezuela repudiou o bloqueio, por 30 dias, do perfil oficial do presidente venezuelano Nicolás Maduro no Facebook.

“A medida viola o direito de 1.200.000 usuários da referida conta de acessar informações precisas e oportunas no país, e fere os artigos 57 e 58 da Constituição do país sul-americano”, disse o ministério em um comunicado.

A nota afirma que não é a primeira vez que o Facebook e seus associados (WhatsApp e Instagram) se utilizam do direito de silenciar e sancionar, a seu critério, os conteúdos que o presidente publica diariamente “relacionados às políticas de Estado e de alto interesse público para a Venezuela e para o mundo”, informa o Opera Mundi.

O Facebook alegou que Maduro divulgou informação falsa ao apresentar publicamente o Carvativir, um retroviral de desenvolvimento e produção nacional, junto de seu plano de distribuição massivo e gratuito em todo o país.

 

 

Nicolás Maduro

Nicolás Maduro (Foto: Paulo Emílio)

Leia mais

Leia também