Lava Jato: Ex-gerente da Petrobras, executivo da Odebrecht e empresário são condenados por propina em obra de sede da estatal

De acordo com a sentença, foram pagos R$ 3,5 milhões em propina relacionada a contratos para as obras do prédio da Petrobras em Vitória, entre 2010 e 2013.

De acordo com a sentença, foram pagos R$ 3,5 mi em propina relacionada a contratos para as obras da sede da Petrobras em Vitória

A Justiça Federal condenou Celso Araripe D’Oliveira, ex-gerente da Petrobras, o empresário Eduardo de Oliveira Freitas Filho e o executivo da Odebrecht Paulo Boghossian por um esquema de pagamento de propinas envolvendo contratos para as obras da sede da estatal em Vitória, no Espírito Santo.

A sentença foi proferida nesta terça-feira (16), pelo juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, em um processo no âmbito da Operação Lava Jato.

Segundo a Justiça Federal, a estatal pagou R$ 556 milhões pela obra a um consórcio comandando pela Odebrecht. O total pago em propina, no esquema, segundo a sentença foi de R$ 3,5 milhões.

Os pagamentos investigados ocorreram entre 2010 e 2013.

Veja, abaixo, a condenação de cada um dos réus:

  • Celso Araripe D’Oliveira – ex-gerente da Petrobras: Condenado a 15 anos e 20 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro;
  • Eduardo de Oliveira Freitas Filho – empresário: Condenado a 9 anos e 2 meses por lavagem de dinheiro;
  • Paulo Sérgio Boghossian – executivo da Odebrecht: Boghossian firmou acordo de delação premiada e, portanto, teve a pena substituída pelo cumprimento do acordo, que previa pena em regime aberto e prestação de serviços à comunidade.

A Justiça também determinou que os três réus paguem R$ 3,5 milhões à Petrobras, referentes ao montante desviado em pagamentos de propina, conforme apontaram as investigações.

Leia mais

Leia também