Lançado o projeto Comunidades Terapêuticas Livres de Tabaco

O projeto Comunidades Terapêuticas Livres de Tabaco foi lançado nessa quinta-feira (10) para incentivar que os acolhidos nas instituições abandonem o hábito de fumar. A iniciativa é uma parceria entre o Ministério da Cidadania e o Instituto Nacional do Câncer (Inca), vinculado ao Ministério da Saúde.

O projeto será desenvolvido em várias etapas nas Comunidades Terapêuticas que optarem por aderir à iniciativa. A primeira será a capacitação dos gestores e demais profissionais das instituições para que auxiliem os acolhidos em relação ao tabagismo. A proposta é promover a saúde nesses ambientes tanto para os que estão em tratamento quanto proporcionar um ambiente saudável para os que trabalham no local, evitando o fumo passivo.

“Com certeza, isso vai ajudar sobremaneira as pessoas acolhidas a se recuperarem de fato e trilharem um caminho de saúde, de reinserção na sociedade, com a vida saudável”, explicou o secretário Nacional da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas (Senapred), do Ministério da Cidadania, Quirino Cordeiro.

A ideia de incentivar o abandono do tabagismo nas Comunidades Terapêuticas surgiu após um levantamento feito pela Senapred mostrar que, das instituições credenciadas pelo Governo Federal, 32,2% permitem o uso do tabaco pelos acolhidos. E que 91,4% das comunidades demonstraram interesse em participar de uma iniciativa para auxiliar os acolhidos a abandonarem o hábito de fumar no processo de recuperação.

“Lançamos essa parceria junto com o Inca para que possamos ofertar às Comunidades Terapêuticas ações na área de tratamento das pessoas que apresentam, além da dependência a outras drogas, a dependência ao tabaco neste momento que o Governo Federal vem desenvolvendo um importante trabalho junto às Comunidades Terapêuticas objetivando a oferta de cuidado gratuito para que as pessoas possam ter cada vez mais acesso a recuperação de seus quadros de dependência química”, detalhou Quirino Cordeiro.

As Comunidades Terapêuticas são instituições que acolhem pessoas com transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependência de álcool e drogas. Os espaços valorizam a convivência entre os acolhidos fortalecendo as mudanças de hábitos e de rotinas para a redução dos fatores de risco para a recaída no uso de drogas.

Efeitos nocivos do tabagismo

No Brasil, há 162 mil mortes anuais precoces decorrentes do tabagismo e o país gasta R$ 125 bilhões ao ano com doenças e incapacitações relacionadas ao uso do tabaco, de acordo com o Inca.

O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base de tabaco. Segundo o Inca, o Brasil tem mais de 21 milhões de fumantes e o tabagismo tem a ver com aproximadamente 50 enfermidades. Entre elas, vários tipos de câncer, doenças do aparelho respiratório, doenças cardiovasculares e hipertensão arterial.

O instituto alerta que os não fumantes expostos ao fumo passivo também correm o risco de desenvolver câncer de pulmão. E que os cigarros eletrônicos expõem os não fumantes à nicotina e outros produtos químicos prejudiciais à saúde.

Tratamento

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento gratuito para quem quer parar de fumar. Desde 2002, o Ministério da Saúde e as secretarias estaduais e municipais de Saúde vêm organizando uma rede de atendimento com o tratamento composto por consultas individuais e grupos de apoio.

Lançado o projeto Comunidades Terapêuticas Livres de Tabaco

O projeto será desenvolvido em várias etapas nas Comunidades Terapêuticas que optarem por aderir à iniciativa Foto: Ministério da Cidadania


Leia mais

Leia também