Justiça mantém júri popular para ex-pastor acusado de matar irmãos em Linhares

 

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) decidiu manter, nesta quarta-feira (23), a decisão do juiz da 1ª Vara Criminal de Linhares de levar Georgeval Alves a júri popular. O ex-pastor é acusado de estuprar, agredir e matar os irmãos Kauã e Joaquim, em Linhares, Norte do Estado, em abril de 2018. A informação é de Caio Dias, da TV Gazeta.

O crime aconteceu durante a madrugada na casa onde as crianças moravam com a mãe Juliana Salles e o pastor, pai de Joaquim, de 3 anos, e padrasto de Kauã, de 6. Os dois são acusados da morte dos irmãos, sendo que Juliana responde ao processo em liberdade sob acusação de omissão.

A defesa de Georgeval havia recorrido da decisão para que o ex-pastor não fosse a júri popular. Os desembargadores do TJ também julgaram uma apelação para que Juliana também seja pronunciada e vá a júri popular.

Segundo a advogada da família, Lharyssa Almeida, a decisão dos desembargadores foi de manter a sentença da 1ª instância por unanimidade. No caso da apelação envolvendo Juliana, a relatora do caso, desembargadora Elizabeth Lordes, pediu mais tempo para reavaliar o processo.

O dia do júri do ex-pastor, no entanto, ainda não foi marcado. A defesa do ex-pastor ainda pode recorrer. A reportagem tentou contato com os advogados, mas não teve retorno.

No dia do crime, Georgeval estava sozinho com os meninos. Juliana havia viajado para um evento religioso em Minas Gerais com o filho bebê do casal. Os dois eram considerados informalmente como pastores na igreja que atuavam em Linhares.

De acordo com a investigação da Polícia Civil na época, somente o quarto das crianças foi queimado por volta das 2h do dia 21 de abril de 2018. O laudo cadavérico da polícia informou que as crianças estavam vivas no momento do incêndio, porém desacordadas pois haviam sido agredidas e estupradas.

Após perícias e depoimentos, o pastor Georgeval foi preso sete dias depois da morte de Kauã e Joaquim. O caso foi encerado na esfera policial em 23 de maio de 2018 com o indiciamento por duplo homicídio, duplo estupro, fraude processual e tortura.

O Ministério Público pediu a prisão também da mãe das vítimas, Juliana Salles, por omissão. Ela também foi acusada de duplo homicídio, duplo estupro e fraude processual, pois a investigação apontou que ela sabia que o marido representava risco para os filhos e, mesmo assim, permitiu que ele ficasse com próximo a eles.

Juliana foi presa em 20 de junho, em Minas Gerais, e solta em 7 de novembro do mesmo ano, por meio de um alvará de soltura expedido pela Justiça.

Pastor George Alves é indiciado pela morte de irmãos Joaquim e Kauã, em Linhares — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Pastor George Alves é indiciado pela morte de irmãos Joaquim e Kauã, em Linhares — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Kauã e Joaquim foram assassinados no dia 21 d abril de 2018

Kauã e Joaquim foram assassinados no dia 21 d abril de 2018