Interpol oferecerá 75 cursos para profissionais de Segurança Pública

Interpol oferecerá 75 cursos para profissionais de Segurança Pública

Todas as forças de segurança dos estados serão contempladas com os cursos Foto: Agência Brasil

O Ministério da Justiça e Segurança Pública firmou parceria com a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) para disponibilizar 75 cursos à distância aos profissionais que integram o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP). Os cursos, nos idiomas inglês, francês, espanhol e árabe, serão ministrados por meio da plataforma da instituição internacional, a Interpol Global Learning Centre (IGLC).

Entre as opções de cursos estão “Linguagem corporal e sinais de mentira em um interrogatório policial”, “Terrorismo Radiológico e Nuclear – Inteligência em fontes abertas nas investigações”, “Gestão Radiológica da Cena do Crime”, “Investigações sobre correio eletrônico”, “Investigação sobre Drogas”.

O diretor de Ensino e Pesquisa da Secretaria de Gestão e Ensino (Segen), Marcos de Araújo, ressalta a importância da internacionalização educativa. “Ao investir na globalização educativa buscamos contribuir para o desenvolvimento das habilidades e aptidões dos nossos profissionais de segurança pública por meio do conhecimento de outras perspectivas sobre problemas e desafios comuns a todos.”

O acordo permitirá, ainda, um intercâmbio com os profissionais das instituições policiais dos 194 países que integram a Interpol.

Primeira fase

Na primeira fase, os cursos serão direcionados aos profissionais da Segen e da Secretaria de Operações Integradas (Seopi), do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Posteriormente, serão contempladas todas as forças de segurança dos estados.

Interpol

A Organização Internacional de Polícia Criminal, conhecida como Interpol, fornece suporte de investigação, conhecimento e treinamento para a aplicação da lei em todo o mundo na luta contra três áreas principais de crime transnacional: terrorismo, crime cibernético e crime organizado.

O amplo mandato abrange praticamente todo tipo de crime, incluindo contra a humanidade, pornografia infantil, tráfico e produção de drogas, corrupção política, violação de direitos autorais e crime do colarinho branco. A agência também ajuda a coordenar a cooperação entre as instituições policiais do mundo por meio de bancos de dados criminais e redes de comunicação.

Com informações do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Leia mais

Leia também