Índia tem surto de fungo em meio à piora da pandemia de Covid e quase 400 mil mortos


Sputnik – Neste domingo (23), Arvind Kejriwal, ministro-chefe de Deli, anunciou que o lockdown na capital da Índia foi prorrogado até o dia 31 de maio como parte da estratégia para garantir que as infecções por COVID-19 continuem a diminuir.

A declaração do ministro foi dada em entrevista publicada pelo jornal local Press Trust of India.

“Consultei muitas pessoas e a opinião geral favoreceu a prorrogação do bloqueio por uma semana. Portanto, o governo de Nova Deli decidiu que o lockdown será estendido até as 05h00 [20h30 no horário de Brasília] de 31 de maio”, disse Kejriwa, que especificou que a capital indiana confirmou cerca de 1,6 mil novas infecções pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas.

Nova Deli é um dos centros urbanos mais populosos do mundo, com cerca de 30 milhões de habitantes em toda a região metropolitana que compõe o território. Desde o início da pandemia a região teve 1.415.219 casos de COVID-19 e 23.013 mortes causadas pela doença.

Esta é a quinta vez que as autoridades locais prolongam as restrições sociais em Nova Deli. A extensão anterior estava programada para expirar na segunda-feira (24).

O lockdown foi iniciado na região em 19 de abril, em meio ao pico de casos de COVID-19 na Índia. As restrições impuseram o fechamento de comércios como restaurantes, lojas de produtos não alimentícios e centros comerciais. As empresas privadas foram instruídas a instaurar regimes de trabalho remoto.

Além disso, as autoridades proibiram reuniões e aglomerações, impondo limites ao número de passageiros no transporte público. Das 22h00 (14h30 no horário de Brasília) às 05h00 (20h30 no horário de Brasília) funciona um toque de recolher na capital indiana.

Desde a primeira instauração do lockdown houve alguns alívios. Determinados locais foram autorizados a retomar o trabalho, incluindo organizações governamentais, hospitais, polícia e bombeiros, supermercados, bancos, fornecedores de serviços públicos e provedores de Internet.

Situação da Índia em relação ao mundo

A Índia tem hoje a maior média de mortes diárias do mundo, superando a marca diária de quatro mil óbitos. A média de casos diários no país também é a maior do planeta, mas vêm caindo nas últimas semanas. No dia 8 de maio, a média de casos chegou a quase 400 mil, e caiu para cerca de 260 mil no sábado (22).

Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, a Índia acumula mais de 28 milhões de casos de COVID-19 e quase 300 mil mortes causadas pela doença. Em número de casos, o país está atrás apenas dos Estados Unidos, que também têm mais mortes que o país asiático. Em número de óbitos, além dos EUA, a Índia está atrás apenas do Brasil.

A vacinação contra a COVID-19 na Índia, que tem a segunda maior população do planeta, com quase 1,4 bilhão de pessoas, aplicou a primeira dose de um imunizante em cerca de 150 milhões de pessoas. Conformo o painel do site Our World in Data, em número de doses aplicadas o país asiático está atrás apenas de EUA e China, mas ainda está longe de alcançar números significativos de imunidade coletiva em números proporcionais à população.

Casos de ‘fungo negro’ crescem na Índia e são quase 9 mil

A Índia registrou mais de 8,8 mil casos de infecção por um fungo com alta taxa de mortalidade, conhecido como mucormicose ou “fungo negro”, informou neste domingo (23) Sadananda Gowda, ministro indiano de Produtos Químicos e Fertilizantes.

Gowda usou as redes sociais para atualizar a situação sobre a doença, detalhando as ações do governo para deter o fungo.

​Após uma revisão detalhada do número crescente de casos de Mucormicose em vários estados, um total de 23.680 frascos adicionais de Anfotericina B [medicamento antifúngico] foram alocados para todos os estados/territórios hoje [domingo, 23]. A alocação foi feita com base no número total de pacientes, que é de aproximadamente 8.848 em todo o país.

De acordo com os dados fornecidos pelo ministro, o estado com o maior número de infecções com o fungo é Gujarat com 2.281 casos, seguido de perto por Maharashtra, com 2.000. Outros estados gravemente afetados incluem Andhra Pradesh, Madhya Pradesh e Rajastão.

A atual situação da Índia é delicada, uma vez que o país asiático tenta controlar um pico de COVID-19 que atualmente mantém uma média de mais de 4.000 óbitos diários, conforme dados do site Our World in Data.

A mucormicose é uma infecção fúngica rara, com mortalidade que gira entre 50% e 94%, dependendo do estágio da doença. O fungo pode se manifestar após o contato de esporos de fungos no ambiente ou após o fungo entrar na pele através de um corte, arranhão ou queimadura. Pessoas com diabetes e com sistema imunológico comprometido, incluindo aqueles em recuperação de COVID-19, correm maior risco de contrair a infecção do fungo preto.

O embaixador indiano na Rússia, Venkatesh Varma, disse anteriormente que os médicos indianos estão em consulta com especialistas russos a respeito de possíveis métodos de tratamento da mucormicose.

Pandemia da Covid-19 na Índia

Pandemia da Covid-19 na Índia (Foto: Reuters)

Leia mais

Leia também