Igreja São Daniel Comboni completa 26 anos

A história envolvida na escolha do padroeiro na comunidade do bairro Filomena, aconteceu em 1996, quando houve a beatificação de Dom Daniel Comboni, em Roma


Erguida no bairro Filomena, a Igreja São Daniel Comboni completou 26 anos de fundação, no último dia 06 de agosto. A reportagem especial é de Cintia Zaché, da Rede Notícia.

Em 1995 foi realizada a primeira Missa, celebrada pelo padre Élio Savóia. A obra do templo religioso iniciou no dia 26 de janeiro de 1996, encabeçada por Adilsom Danieleto e Januário Fugulim. A edificação de dois pavimentos, com 900 metros quadrados de área construída, foi erguida no terreno medindo 1.236.10M², doado pela prefeitura de Nova Venécia, na gestão do prefeito Wilson Luiz Venturin, o Japonês.

O projeto estrutural da igreja foi feito pela engenheira civil, Maria de Lourdes de Oliveira, ainda residente no bairro. Atualmente, a coordenadora da igreja é Lídia Colombi, e a comunidade pertence à Paróquia São Marcos.


O início da história da uma comunidade

De acordo com histórico da comunidade, cedido por Beth Gaigher, a história da comunidade São Daniel Comboni surgiu quando padre Gianni (In Memória), que foi pároco em Nova Venécia, de dezembro de 1977 a julho de 1983, despertou em algumas famílias do bairro, o sonho de ver nascer ali um novo templo. Na época, os católicos do local freqüentavam a Matriz São Marcos a Igreja Santa Luzia.

E foi por iniciativa de uma moradora, a Maria da Penha Zen Bettero, junto com sua mãe, que ao alcançar uma graça após fazer uma promessa a Nossa Senhora da Penha, almejou a construir uma igreja no bairro Filomena. A ideia começou a ser gestada, disseminada e abraçada por moradores.

No dia 27 de abril de 1995, um grupo de pessoas, representando as famílias do bairro, se reuniu com o padre Egídio Melzani, no Centro Comunitário São Marcos, para discutir a formação de uma comunidade na localidade. No momento foi formada uma Comissão provisória, com objetivo de conseguir mais adeptos e trabalhar em prol da construção da igreja.

Dado o pontapé inicial, a partir de então, uma festa pró-construção da Igreja do bairro Filomena, na Praça Américo Salvador, foi organizada. A primeira Missa em nome da igreja que seria erguida, aconteceu no dia 06 de agosto de 1995, durante uma festa de três dias, para arrecadação de dinheiro. A partir daí,a comunidade começou as celebrações religiosas mensalmente, no pátio da EMEF Lourdes Scardini.

Atualmente a coordenadora da igreja é a Lídia Colombi, e a comunidade pertence à Paróquia São Marcos

Com as iniciativas, festas, bingos e eventos foram sendo realizados, para que fosse erguida a tão sonhada igreja. Como ainda não tínham padroeiro, eram chamados de comunidade do bairro Filomena. Em 1996, começaram as celebrações todos os domingos, ano que também foi implantado o dízimo.

Na 2ª festa da comunidade, de 10 a 12 de novembro de 1995, já estava definido o terreno onde seria construída a Igreja. Para marcar a conquista histórica, durante a celebração, um cruzeiro foi fincado no terreno, feito por José Pedro Soares, membro da comunidade.

Em 1996 aconteceu a terceira festa da comunidade e a Missa foi celebrada pelo bispo Dom Aldo Gerna, com cerimônia de lançamento da pedra fundamental da igreja, dedicada ao beato Daniel Comboni. Já a primeira Missa festiva em honra ao padroeiro beato Dom Daniel Comboni, também foi realizada no mesmo ano, época que também aconteceu a despedida das celebrações na EMEF Lourdes Scardini, passando a ser já na igreja em construção, porém no salão embaixo.

Dando continuidade a evolução da comunidade, no dia 31 de maio de 1997, aconteceu a primeira Coroação a Nossa Senhora, sendo a partir de então, realizada a cada ano e sendo uma referência da São Daniel Comboni, que no mesmo ano, fundou o Apostolado da Oração, por iniciativa da dona Maria Seixas e Maria da Penha Zen Betero.

Um dos orgulhos da comunidade é que, no dia 14 de setembro de 2002, a comunidade recepcionou os missionários combonianos, que escolheram a Paróquia São Marcos para as comemorações alusivas aos 50 anos da presença comboniana no Brasil e no Espírito Santo. “Para marcar a ocasião, os padres de nossa paróquia doaram-nos o busto de Comboni, que foi instalado na Praça da Igreja e solenemente, inaugurado e abençoado, com cerimônia presidida pelo Superior Provincial dos Combonianos do Brasil, padre João Munari.

» Primeira Missa em nome da igreja que seria erguida, aconteceu no dia 06 de agosto de 1995, presidida pelo padre Élio Savoia

Primeiro batizado, crisma e coroinha

No dia 04 de maio de 1997, após a catequese batismal ser assumida por Ireci Salvador Bom, Inês Boa e Isabel Lodi, padre Bruno celebrou o primeiro batizado dentro da igreja, para 10 Crianças, sendo eles: Dyllann Finco Pereira, João Vitor Porto Delorence, Natália Finco Pereira, Pedro Henrique Scamparle, Raphael Doná Rocha, Raylon Paixão Themote, Raynam Gonçalves Soares, Thaysa Sampaio Santos, Vinícius dos Santos, Yann Peres Moreira.

No dia 25 de abril de 2008 a comunidade São Daniel Comboni recebeu o bispo diocesano, Dom Zanoni Demettino Castro, para presidir a celebração do sacramento da Crisma. Aqui é preciso destacar e registrar que foi na igreja do bairro Filomena que, Dom Zanoni celebrou o sacramento da Crisma pela primeira vez como bispo.

Já em 2010 foi implantado o serviço dos coroinhas na comunidade, tendo Pedro Henrique Pestana Walker o primeiro coroinha da localidade.

Bodas de Ouro e de Prata

Padre Luiz Roncador celebrou a primeira Bodas de Ouro da comunidade, do casal, Gerlindo Silva e dona Augusta, no dia 22 de novembro de 1997. Já a primeira Bodas de Prata foi celebrada pelo padre Jaymir Bada, pelo aniversário de casamento de Antônio Ismael Ambrosino e Alair Bada Ambrosino.

» Imagem de São Daniel Comboni no altar e o bispo
Dom Aldo Gerna durante Missa na São Daniel Comboni

Padroeiro

A história envolvida na escolha do padroeiro na comunidade do bairro Filomena aconteceu em 1996, quando houve a beatificação de Dom Daniel Comboni, em Roma, pelo Papa João Paulo II. O momento era esperado ansiosamente esperado e ardorosamente festejado por todos os missionários e as missionárias combonianos do mundo inteiro. Nesse mesmo dia padre Egídio celebrou a Missa na comunidade do Filomena, que ainda se reunia nas dependências da escola. De acordo com registros, empolgado com a beatificação do fundador de sua congregação, o comboniano padre Egídio propôs que o beato fosse nosso padroeiro ali, e a sugestão foi aceita. No histórico da igreja consta inclusive:”É com muita honra que nós ostentamos o título de primeira Igreja dedicada ao fundador dos missionários e das missionárias combonianos, que foram os primeiros a dedicarem suas vidas ao serviço missionário, em favor da Evangelização do povo de nossa região” .

Na terceira visita do bispo Dom Aldo Gerna à comunidade, no dia 13 de abril de 2004, a igreja do bairro Filomena recebeu um presente para lá de especial. Ele veio nos entregar a imagem do padroeiro São Daniel Comboni. Essa data foi escolhida para coincidir o presente com o aniversário de nascimento de Comboni: 15/03/1831. E Dom Aldo, tendo como concelebrantes padre Edvalter Andrade e Padre Alessandro Garbagnati, presidiu missa solene com entronização, bênção e instalação da imagem de São Daniel Comboni, e o santo padroeiro,
que ocupou seu lugar no presbitério da igreja, aos pés da cruz e ao lado da Mãe Maria Virgem da Penha.

Ainda, no dia 17 de agosto de 2003, comunidade viveu mais um momento de graça. A imagem de Nossa Senhora da Penha, padroeira do nosso Estado, passou a ocupar lugar no presbitério da Igreja. A celebração presidida por padre Alessandro Garbagnati. A imagem foi doada por Lavínia Florisbela Galter Zen (dona Florinda), mãe de uma das fundadoras da comunidade, a Penha Zen.


Para lembrar:

· Ressaltamos que todos os cartazes e outros materiais impressos das primeiras festas foram criados, produzidos e doados por Pedro Destéfani, da Gráfica Cricaré e membro da comunidade.

· É preciso registrar e sempre agradecer a preciosa, valiosa e inesquecível participação da mãe Igreja Matriz de São Marcos, ajudando em tudo para a formação da nova comunidade: ajudas financeiras, materiais, empréstimo e doação de materiais litúrgicos, etc. Inclusive, a cruz processional que é usada por nós, nas celebrações, veio por “empréstimo” da matriz …e por aqui ficou até hoje.

· Desde o início os grupos de reflexão mereceram atenção especial da comunidade, por meio de Zoraide Teixeira Lage Bolsoni, que sempre defendeu e incentivou sua existência e sua perseverança. Nesses 18 anos ela é
nossa referência para os grupos de reflexão.

· Agradecemos o precioso apoio da escola Lourdes Scardini, que ajudou em tudo que pedíamos e sempre cedendo seu espaço físico para as atividades da comunidade. O apoio e a pronta colaboração da escola permanecem até hoje, nesses 18 anos de existência.

· Agradecimentos a todas as pessoas, comércios, empresas, instituições que contribuíram e continuam contribuindo com a permanente formação da comunidade.