Idosos de até 69 anos vão participar dos testes da vacina de Oxford, no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou mudanças nos testes da vacina de Oxford contra a Covid-19. Os pesquisadores solicitaram à entidade autorização para aplicar uma dose de reforço em voluntários. Isso porque pesquisas teriam mostrado que uma segunda dose aumenta a chance da pessoa ficar imune ao vírus.

A segunda dose da vacina deve ser aplicada quatro semanas depois da primeira. Se os resultados forem melhores, a segunda dose deverá ser implementada quando a vacina for disponibilizada à população.

SUS vai adotar vacina para a Covid-19 que estiver pronta primeiro, diz MS

Vacina de Oxford contra covid-19 só será disponibilizada em 2021

Também foi atendido o pedido para que o teste seja realizado em voluntários mais idosos. Antes, participavam do testes voluntários de 18 a 55 anos. Agora, a idade máxima foi estendida para 69 anos. De acordo com a Anvisa, antes não haviam dados que comprovassem a necessidade dos testes em pessoas com mais idade.

A vacina foi desenvolvida pela universidade de Oxford em parceria com a empresa farmacêutica AstraZeneca. Assim que os estudos forem concluídos, o medicamento será produzido em grande escala pelos laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Foto: Itamar Crispim/Fiocruz

Leia mais

Leia também