Hospital da UFBA padroniza uso de saliva como teste para detectar novo coronavírus

Hospital da UFBA padroniza uso de saliva como teste para detectar novo coronavírus

Amostra pode ser coletada pelo próprio paciente. Foto: Banco de imagens

O Laboratório de Pesquisa em Infectologia (Lapi) do Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos, vinculado à Universidade Federal da Bahia (Hupes-UFBA)e à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), conseguiu padronizar o uso de saliva como teste para detecção do novo coronavírus. O anúncio foi feito na segunda-feira (13) e trata-se de uma ação inédita no Brasil, que está em estudo e aplicação há cerca de dois meses.

A metodologia tem sido aplicada em pacientes e colaboradores do Hupes que apresentem sintomas compatíveis com a Covid-19.

O procedimento por meio da coleta da saliva se caracteriza por não ser invasivo – o que traz menos desconforto para o paciente – e por apresentar menor risco de contaminação para funcionários, pois é autocoletado pelo próprio paciente. Também possui menor custo, uma vez que não envolve meio de transporte e tubos, apenas um coletor estéril. Também não há necessidade de uso de equipamentos de proteção individual (EPI), que é necessário, por exemplo, quando se coleta por nasofaringe.

“A utilização deste procedimento pode ampliar significativamente o número de testes realizados, pois é mais simples, mais rápida e de menor custo, além de não oferecer riscos de contaminação durante a coleta. Com o teste por nasofaringe ocorre irritação de vias aéreas, com desconforto para o paciente, além de risco de espirros, tosse, e até vômitos durante o procedimento, aumentando a chance de contaminação do ambiente e do responsável pela coleta”, afirma o coordenador do Laboratório de Pesquisa em Infectologia do Hupes, Carlos Brites.

Outro benefício da detecção por saliva é a possibilidade da realização de vários testes ao mesmo tempo chamado de “esquema pool”.

“Coletamos amostras de cinco pacientes e juntamos em um único recipiente, homogeneizamos e testamos como se fosse amostra única. Se o resultado for negativo, não precisa fazer mais nada. Caso seja positivo, testamos as amostras 2 a 2, para identificar qual foi positiva. Como pelo menos metade dos testes realizados na rotina são negativos, isso economizará recursos, pois menos testes serão necessários ao final”, esclarece Brites.

 

Leia mais

Governo do Espírito Santo facilita acesso ao crédito rural

Resolução nº 4.810 garante medidas emergenciais para concessão de crédito rural. – Foto: ...

Brasil chega a 130.396 mortes pela Covid-19

O Ministério da Saúde divulgou os números a respeito da pandemia da Covid-19 no Brasil. De acordo com as informações apresentadas, o país registrou...

Valor Bruto da Produção Agropecuária é estimado em R$ 689,97 bilhões para 2020

Pecuária deve ter o segundo ano consecutivo de bons resultados. – Foto: ...

Apae de Nova Venécia faz vídeo sobre prevenção ao coronavírus

De Cintia Zache - redenoticiaes Quinze usuários da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), de Nova Venécia, participaram de uma campanha sobre a...

Leia também

Vacina da Pfizer contra Covid-19 entra na última fase de testes clínicos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou que as empresas farmacêuticas Pfizer e BioNTech prossigam para a fase 3 do estudo clínico da...

Prazo para cadastrar barragens está acabando em Goiás

O prazo estabelecido pelo Governo de Goiás para cadastramento de barragens está chegando ao fim. Por isso, até o dia 30 de setembro deste...

Operação Focus investiga origem das queimadas no Pantanal

Técnicos do Instituto de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul, da Perícia Técnica da Secretaria de Justiça e Segurança Pública do estado, agentes...

RS: Malha de gasodutos foi expandida em 4,3 km neste ano

No Rio Grande do Sul, na região entre Três Coroas e Gramado, a malha de gasodutos já foi expandida em 4,3 quilômetros desde o...