Homem que morreu após carro explodir em Vitória era empresário e tinha 38 anos

O motorista que morreu nesta sexta-feira (30) após um carro explodir ainda em movimento em Vitória, foi identificado como Ricardo Portugal Moura Guedes, de 38 anos. A informação foi confirmada por um familiar na manhã deste sábado (31). A causa da explosão ainda é desconhecida.

Ricardo era empresário e consultor de Tecnologia da Informação (TI), nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, mas morava em Vitória há 12 anos. Ele deixa esposa, um filho de sete anos e duas enteadas.

De acordo com o cunhado, Júnior Marba, o carro de Ricardo é de 2019 e passou por uma revisão no dia 15 de outubro deste ano. Ainda segundo Júnior, o laudo inicial dos bombeiros apontou que a explosão aconteceu no tanque de combustível. À reportagem, o Corpo de Bombeiros não confirmou a informação e disse que o prazo para o documento ficar pronto é de 30 dias.

O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória e, segundo família, vai precisar passar por exame de DNA antes de ser liberado.

Acidente ainda sem explicação

O acidente aconteceu na tarde desta sexta-feira (30) quando Ricardo dirigia pela avenida Adalberto Simão Nader, próximo ao Aeroporto Eurico Aguiar Salles. Ele voltava de uma consultoria que havia prestado a uma empresa.

Em imagens gravadas por uma câmera de segurança, é possível ver quando há uma explosão e chamas começam a sair pela janela do veículo.

Pessoas que estavam no local tentaram ajudar a apagar o fogo e socorrer a vítima, mas não conseguiram retirá-la do carro. Ricardo morreu no local e teve o corpo carbonizado.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e combateu o incêndio. Em casos em que ocorre óbito, o fato é automaticamente comunicado à Delegacia de Delitos de Trânsito (DDT), que instaura Inquérito policial para a apurar as circunstâncias do ocorrido.

O local do incêndio foi periciado e o prazo para a conclusão do laudo é de 30 dias.

“O que temos de fato mais real até agora são os vídeos, que mostram um carro que explodiu em movimento. Houve uma explosão, ainda não sabemos dizer o porquê dessa explosão. Quem vai tentar chegar ao porquê é a perícia de incêndio. O carro não era GNV [Gás Natural Veicular], o que causa um pouco mais de estranheza”, disse capitão Pedroni, do Corpo de Bombeiros, ainda na sexta-feira.

Informações: G1

Leia mais

Leia também