Homem é preso depois de ameaçar vereadores na Câmara de Vitória

Um homem foi preso suspeito de ameaçar dois vereadores durante uma sessão na Câmara de Vitória, nesta segunda-feira (28), acusado de ameaçar dois vereadores durante a sessão. A informação é de Ana Clara Morais, do G1 ES.

A discussão começou depois que a vereadora Karla Coser (PT) usou a tribuna para discursar. A petista abordou as possíveis irregularidades envolvendo o contrato de compra da Covaxin, imunizante indiano contra Covid-19, pelo governo federal e terminou o discurso pedindo “Fora Bolsonaro”.

O posicionamento incomodou os vereadores Denninho Silva (Cidadania), Gilvan (Patriota) e Armandinho Fontoura (Podemos) que passaram a discutir com a parlamentar apontando escândalos de corrupção que aconteceram durante os anos em que o PT esteve na presidência da república.

Foi quando Wanderley da Silva Ferreira, conhecido como Thor, que estava na galeria, entrou na discussão. O músico teria dito que “pegaria os vereadores” do lado de fora.

Pelo vídeo publicado no canal da Câmara de Vitória não é possível ouvir o que é dito no início da briga. Após gritos vindos da galeria, os vereadores chamaram Thor de “vagabundo”, “delinquente” e “ex-presidiário” – essa parte audível por ter sido dita no microfone.

O vereador Armandinho relatou que ele e Gilvan foram ameaçados. “Ele ameaçou os vereadores falando que nos pegaria lá fora, o que para mim é uma clara ameaça velada de morte, principalmente vinda de um ex-presidiário que tem passagem por homicídio”, disse.

O parlamentar chamou a Guarda Municipal que foi até o local e levou Thor para a Delegacia de Polícia Judiciária (DPJ) de Vitória. Armandinho e Gilvan também foram para a delegacia prestar depoimento. Segundo a Polícia Civil, todos foram liberados e o caso será investigado.

Em um vídeo publicado em rede social, Thor nega que tenha começado a discussão ou feito ameaças e diz que apenas questionou sobre as denúncias de corrupção envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente da república, Jair Bolsonaro (Sem Partido), e que é investigado no caso das “rachadinhas” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), quando era deputado estadual .

Em seu posicionamento, Thor também afirmou que não deve mais nada a justiça. Conhecido no meio político, o músico cumpriu pena por homicídio, mas foi solto em 2017, segundo a Secretaria Estadual de Justiça (Sejus).

“Eu perguntei: então Fábio Bolsonaro é inocente? E ele (Armandinho) começou a me chamar de vagabundo, de ex-presidiário, tudo quanto é nome. Gente, eu quero dizer que eu paguei minha pena, eu paguei pelo que fiz e me sinto muito… sofrendo esse preconceito”, disse no vídeo publicado.

Armandinho afirma que acionou a procuradoria da Câmara para protocolar uma representação no Ministério Público para que “o caso não fique impune”. Thor também afirma que vai entrar com uma representação por danos morais e abuso de poder.

A reportagem tentou contato com o vereador Gilvan, mas não teve resposta.

Homem é preso na Câmara de Vitória, ES — Foto: Reprodução

Homem é preso na Câmara de Vitória, ES — Foto: Reprodução


Leia mais

Leia também