Homem é preso acusado de ameaçar vereador durante sessão na Câmara de Vitória

O acusado, identificado como Wanderley da Silva Ferreira, o Thor, estava na galeria acompanhando a sessão quando fez ofensas e disse ao vereador Gilvan da Federal que o “pegaria do lado de fora”

Um homem foi preso na manhã desta segunda-feira (28) durante a sessão da Câmara de Vitória por ter feito ameaças contra os vereadores Gilvan da Federal (Patriota) e Armandinho Fontoura (Podemos). Parte da confusão foi captada pelas câmeras que transmitiam a sessão, que chegou a ser suspensa por 10 minutos.

O homem, identificado como Wanderley da Silva Ferreira, mais conhecido como Thor, disse que “pegaria o vereador do lado de fora” e fez ofensas aos dois parlamentares durante a sessão. Ele foi retirado da Câmara pelos seguranças, a pedido do presidente da Casa, Davi Esmael (PSD).

Gilvan acionou a Guarda Municipal, que foi até a Câmara, prendeu o acusado e o conduziu até o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vitória. De acordo com o parlamentar, Thor já fez outras ameaças contra o vereador nas redes sociais.

“É um ex-presidiário, que já foi condenado por homicídio, e foi na sessão querendo me intimidar. Eu já estava representando contra ele por um vídeo de ameaça contra minha pessoa, que foi publicado nas redes sociais dele. Ele se aproveitou de uma discussão mais acalorada entre os vereadores para fazer ofensas contra mim. Pedi a retirada dele, pelos seguranças da Câmara, mas ele continuou me ofendendo, dizendo que eu não sabia com quem estava lidando e que me pegaria lá fora”, contou.

Thor é conhecido no meio político, principalmente por já ter sido intérprete da escola de samba Novo Império. Em janeiro, ele foi nomeado pelo prefeito de Cariacica, Euclério Sampaio (DEM), como coordenador de patrimônio cultural, mas foi exonerado, a pedido, no final de maio.

Ele foi condenado a 25 anos de prisão pelo assassinato do diretor social do Clube Náutico Brasil, José Carlos Preciosa, em junho de 1993. Segundo a Secretaria de Justiça (Sejus), Thor recebeu alvará de soltura em março de 2017.

A confusão envolvendo Thor e Gilmar na Câmara começou após um discurso da vereadora Karla Coser (PT), em que fez críticas ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Ela apontou que o presidente da República prevaricou diante de denúncias de corrupção na compra de vacinas contra a Covid-19, o caso Covaxin, denúncia investigada na CPI da Covid, no Senado.

Ao final do discurso, Karla gritou “Fora Bolsonaro”, o que incomodou os vereadores Denninho Silva (Cidadania) e Gilvan, que reagiram.

No plenário, os parlamentares começaram a discutir e os vereadores Gilvan e Denninho apontaram para escândalos de corrupção durante os governos dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT), que são do partido de Karla.

Foi nesse instante que Thor, na galeria da Câmara, fez as ameaças contra Gilvan. Nas redes sociais, Thor se mostra um crítico do governo Bolsonaro. Segundo Gilvan, Thor usou a palavra “vagabundo”, entre outras ofensas, além da ameaça. O vereador Armandinho também passou a discutir com Thor, em defesa de Gilvan.

Um vídeo que circula em redes sociais mostra o momento em que o homem é colocado dentro do cofre da viatura da Guarda Municipal. Nas imagens, ele questiona sobre o porquê está sendo levado preso e Armandinho responde que a detenção é por desacato.

“Você provou que está sendo moleque, desacato por quê? Você me chamou de vagabundo, rapaz”, diz o homem preso a Armandinho, que o acompanhou até a viatura.

A Guarda Municipal de Vitória confirmou a prisão do homem. Ele e os vereadores estavam, até o final da manhã, no DPJ de Vitória, onde prestam depoimento. A reportagem de A Gazeta tentou contato com Thor por telefone, mas as ligações não foram atendidas.

Informações: A Gazeta


Leia mais

Leia também