Hemoes utiliza equipamentos portáteis para ações de coleta externa

Diante do distanciamento social enfrentado no Estado em decorrência da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), o Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes) tem adotado medidas para aumentar o alcance de coletas de sangue e ficar mais próximo aos doadores. Com isso, uma nova modalidade de coleta externa está sendo realizada pelos profissionais: o uso de equipamentos portáteis.

A diretora-técnica do Hemoes, Rachel Lacourt, explica que nesse procedimento é utilizado o mesmo aparelho de coleta de sangue do Ônibus de Coleta Externa. Entretanto são direcionados para o local da visita uma equipe menor de profissionais da saúde e materiais de fácil deslocamento, facilitando o acesso em áreas com estruturas pequenas. “Recebemos muitos pedidos de coleta externa com o ônibus, porém a logística para levá-lo é complexa. É preciso ter um espaço amplo para estacionar o veículo, estrutura de rede elétrica e outras condições que limitam o acesso. A principal vantagem dessa nova modalidade de coleta é alcançar os doadores em seus ambientes de trabalho, sendo uma alternativa à unidade móvel do Hemoes”, destacou.

Para a realização do serviço, a equipe técnica leva ao local até quatro poltronas, maleta de urgência e emergência e os equipamentos portáteis para a coleta de sangue. Qualquer cidadão pode solicitar a visitar pelo e-mail [email protected], sendo necessário ter, no mínimo, 20 doadores para realizar a ação.

Quem pode doar

Podem doar sangue as pessoas com idade entre 16 e 69 anos, com mais de 50 quilos, sendo que a primeira doação deve ser feita obrigatoriamente até os 60 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar um documento original com foto.

O voluntário não pode estar em jejum. Caso tenha almoçado, o procedimento deve ser feito três horas depois. Se for um doador frequente, ele deve obedecer ao intervalo para a doação, que deve ser de dois em dois meses para homens e de três em três meses para mulheres.

Além disso, aqueles que fizeram cirurgia bariátrica, tatuagem ou receberam transfusão de sangue só podem doar 12 meses após o procedimento. Voluntários que tiveram diagnóstico de dengue só podem realizar a doação após 30 dias. E em casos de hepatite A, podem ser doadores aqueles que contraíram a doença até os 11 anos.

Quem não pode doar

Não podem doar sangue as pessoas que já tiveram hepatite B ou C; estão grávidas ou com atraso menstrual; realizaram endoscopia ou colonoscopia a menos de seis meses; estiveram gripados nos últimos 15 dias; e aqueles que fazem aplicação de insulina.

Leia mais

Senado aprova MP que flexibiliza regras de licitações durante pandemia

A Medida Provisória 926/2020, que flexibiliza regras de contratações e licitações durante a pandemia foi aprovada nesta quinta-feira (16) no Senado Federal. A MP,...

Painel do Rio Doce alerta para um aumento de até 3,6°C na região afetada pela tragédia de Mariana

Relatório aponta que mudanças climáticas podem afetar o programa de recuperação da Bacia do Rio Doce. Região se tornou mais vulnerável depois do rompimento...

Termômetros com infravermelho vão auxiliar trabalhos na barreira sanitária em Nova Venécia

O município de Nova Venécia recebeu quatro termômetros...

Paulo Márcio completa hoje, 15 dias na UTI de um hospital em Colatina

A família Leite Ribeiro, tem vivido dias de tensão nos últimos dias, tudo porque o prefeito municipal de Água Doce do Norte, Paulo Márcio,...

Leia também

Suspeito de esfaquear vizinho por causa de som alto é preso em Vitória

Crime ocorreu em junho, no bairro Inhanguetá. Segundo a polícia, ele confessou o crime, mas afirmou que agiu em legítima defesa. Um homem de 30...

Larápios arrombam estabelecimento comercial no centro de Água Doce do Norte

O comerciante Aécio Vieira Ribeiro, proprietário de um hortifrúti no centro de Água Doce do Norte, na manhã de quarta-feira (05/08/2020), quando chegou para...

“Caminho longo pela frente”: panorama mostra participação do setor privado no saneamento básico brasileiro

Não é só a Covid-19 que entra na lista de doenças que se agravaram em diversas partes do Brasil por falta de saneamento básico....

Ao reduzir burocracia, novo marco legal pode acelerar liberação de testes clínicos em humanos

A pandemia do novo coronavírus e a corrida pelo desenvolvimento de novos medicamentos e vacinas reacenderam o debate sobre os processos burocráticos que envolvem...