Guerra na Ucrânia não compromete abastecimento de trigo, mas provoca alta no preço do produto

Compartilhe

Nos últimos dois anos, o mercado global de trigo sofreu um sério impacto por crises climáticas nos países líderes na produção e pela pandemia da Covid-19. Agora, outra questão preocupa o setor: a guerra entre Rússia e Ucrânia. Na avaliação do presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo)<\/a>, Rubens Barbosa, é inevitável que esse conflito armado afete diretamente os preços do produto em todo o mundo.

“A desorganização daquela região já está causando um grande impacto no mercado de trigo, como vimos nas cotações. E o trigo é um dos produtos mais afetados, por causa da dependência do mercado global da produção que vem da Rússia e da Ucrânia. Na minha visão, não haverá, a curto prazo, nenhum problema de abastecimento. O que haverá é a continuidade e talvez a ampliação de aumento dos preços”, considera. 

Fertilizantes: com guerra, Brasil vê chances de explorar potássio<\/a>

Guerra na Ucrânia: por que o conflito afeta o agronegócio brasileiro?<\/a>

Sanções econômicas contra a Rússia podem impactar o Brasil?<\/a>

Os russos são os maiores exportadores do produto no planeta. Já a Ucrânia ocupa a quarta posição neste ranking. Os dois países são responsáveis por aproximadamente 30% do mercado mundial de exportação do produto, o que corresponde a 210 milhões de toneladas.

Elevação dos preços

O mercado mundial de trigo já se movimenta para elevar o preço do cereal. 
De acordo com publicação da Abitrigo, o valor do produto na Bolsa de Chicago (EUA) bateu recorde histórico de US$ 12,94 por bushel, nessa segunda-feira (7). 

O resultado é superior à cotação registrada em março de 2008, de US$ 12,83. Desde o início da guerra, houve elevação para o trigo de 46,25% em Chicago. No interior do Rio Grande do Sul, a tonelada do grão atingiu R$ 1.960. O preço se trata de um recorde, com salto de 26% em uma semana. 

Para a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil<\/a>, Tereza Cristina, essa variação deve acompanhar a extensão do conflito. “Se a guerra acabar hoje ou amanhã, teremos um impacto. Se ela continuar por muito tempo, teremos outro impacto. Nós temos que diminuir esses impactos. Precisamos achar as alternativas de ter o fornecimento, o abastecimento. O preço dependerá do mercado. O preço do trigo subiu porque a Ucrânia é um grande produtor e influencia o mercado global”, destaca a ministra. 

Caso a guerra seja prolongada, haverá continuidade da suspensão dos embarques nos portos ucranianos e os importadores devem concentrar as demandas em outros exportadores, como Estados Unidos, Austrália, Canadá e Argentina. 
 

Trigo. Foto: Divulgação/MAPATrigo. Foto: Divulgação/MAPA

Leia também

Lula diz esperar que Moro tenha o direito de defesa que ele não teve na Lava Jato

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse nesta terça-feira esperar que...

Os números

Já se falou que números não mentem. Decidi, assim, recolher alguns deles para melhor compreender nossas realidade e...

FREPER: Mercado de carbono e reforma tributária são pautas prioritárias

A Frente Parlamentar para o Desenvolvimento Sustentável do Petróleo e Energias Renováveis (Freper) lançou, nessa quarta-feira (25), uma...

Junho é o mês da Maratona em Defesa dos Usuários de Serviços Públicos

Para reforçar o poder transformador dos cidadãos e mobilizar as ouvidorias de todo o país na interlocução entre...

Com investimento de R$ 5,5 milhões do Governo Federal, Brasil brilha na Gymnasiade

Quarenta e cinco ouros, 45 pratas e 36 bronzes, num total de 126 medalhas. A delegação brasileira encerrou...

Homem se esconde dentro de freezer após cometer furto em Colatina

Um homem foi encontrado escondido dentro de um freezer depois de roubar uma joalheria na cidade de Colatina,...