Guaraná da Terra indígena Andirá-Marau garante Indicação Geográfica para população indígena

Guaraná da Terra indígena Andirá-Marau garante Indicação Geográfica para população indígena

O cultivo do guaraná nativo é feito de forma artesanal pelos produtores, que desidratam e defumam os grãos. Foto: Divulgação/Consórcio de Produtores Sateré-Mawé

Você já ouviu falar em Indicação Geográfica?

Indicação Geográfica, ou IG, é como se convencionou chamar, aqui no Brasil, a identificação de um produto ou serviço como originário de um local, de uma região. Nada mais é do que um registro que atribui uma reputação, uma característica e identidade própria em função de recursos naturais como solo, vegetação, clima e também ao saber fazer, conhecido como Know-How

Com a IG, o produto ou o serviço recebe proteção legal contra uso de terceiros. Essa indicação também contribui para a agregação de valor econômico ao bem ou serviço.

E, na última semana, mais um produto brasileiro, desta vez na Terra Indígena Andirá-Marau, localizada nas divisas dos estados do Amazonas e do Pará, conquistou uma Indicação Geográfica. É a primeira vez que uma IG, na espécie Denominação de Origem no Brasil, é concedida a um povo indígena, os Sateré-Mawé.

A Indicação Geográfica ocorreu em razão de dois produtos nativos cultivados na região: o waraná ou guaraná nativo; e o pão de waraná, conhecido como bastão de guaraná.

“O guaraná não existe sem os Sateré e nem os Sateré vivem sem o guaraná (…) Foi os Sateré-Mawé que descobriu e que domesticou essa prática”, disse o presidente do Conselho Geral dos Sateré-Mawé, Obadias Garcia. “O guaraná significa para a gente o princípio da sabedoria. Ali está toda a nossa cultura, nossos conhecimentos”, acrescentou.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento atuou no processo de estruturação dessa Indicação Geográfica.

“Isso mostra o potencial que produtos da nossa biodiversidade tem para todas essas indicações. Então, é com muita alegria que o Ministério da Agricultura, juntamente com o INPI mostram ao mundo a tradicionalidade de alguns produtos, no caso o guaraná, e muitos outros que virão na esteira dessa indicação”, disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Para obter a IG, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento atuou em quatro vertentes. São elas: identificação dos potenciais da região; contratação de consultoria em parceria com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO); emissão de instrumento oficial para delimitação de área; e fornecimento de suporte aos indígenas em relação ao pedido de registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

Guaraná nativo

O cultivo do guaraná nativo é feito de forma artesanal pelos produtores, que desidratam e defumam os grãos. Todo esse processo resulta no bastão de guaraná, também chamado de pão de waraná, com cor, aroma, sabor e consistência únicos.

Indicação Geográfica

O marco legal das Indicações Geográficas no Brasil é a Lei da Propriedade Industrial (Nº 9.279/1996), que regula os direitos e as obrigações sobre propriedade industrial e intelectual no país. Atualmente, sua regulamentação segue a Instrução Normativa INPI nº 95/2018, que estabelece as condições para o registro das IGs. O Instituto Nacional da Propriedade Industrial é a instituição que concede o registro legal de IG no Brasil.

A Indicação Geográfica se constitui sob duas formas:

– Indicação de Procedência: é o nome geográfico de país, cidade, região ou localidade que se tenha tornado conhecido como centro de extração, produção ou fabricação de determinado produto ou de prestação de determinado serviço.

– Denominação de Origem: é o nome geográfico de país, cidade, região ou localidade que designe produto ou serviço cujas qualidades ou características se devam exclusiva ou essencialmente ao meio geográfico, incluídos fatores naturais e humanos.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é uma das instâncias de fomento das atividades e ações para Indicação Geográfica de produtos agropecuários.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o Brasil conta, atualmente, com 72 Indicações Geográficas nacionais registradas, sendo 58 na espécie Indicação de Procedência e 14 como Denominação de Origem.

Na Região Norte, existem oito IGs registradas, sendo que a Terra Indígena Andirá-Marau é a primeira Denominação de Origem da região.

As outras IGs foram registradas na modalidade Indicação de Procedência. Entre elas, estão: a Região do Jalapão do Tocantins, para artesanato em capim-dourado; Rio Negro, para peixes ornamentais; Cruzeiro do Sul, para farinha de mandioca; Tomé-Açu, para cacau; e Novo Remanso, para abacaxi.

Para saber mais sobre Indicações Geográficas, é só entrar clicar nesse endereço eletrônico: https://datasebrae.com.br/indicacoesgeograficas/

Leia mais

Dia Nacional do Psicólogo: profissionais essenciais diante do novo cenário da pandemia

Nesta quinta-feira (27) é comemorado o Dia Nacional do Psicólogo. Atualmente, com a pandemia do novo Coronavírus, a importância desses profissionais ficou ainda mais...

Forças Armadas fazem operação conjunta no norte do país

Cerca de 4.400 militares da Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea Brasileira participaram da Ágata Norte Foto: Agência Brasil As Forças Armadas, em...

Tribunal de Contas determina que prefeitura de Barra de São Francisco suspenda licitação para construção da rodoviária

O Tribuna de Contas do Espírito Santo deferiu uma medida cautelar para determinar ao Prefeito de Barra de São Francisco, Alencar Marim, que suspenda imediatamente...

Ex-prefeito de Nova Venécia, Orman Toscano, morre aos 86 anos

Um dos ex-prefeitos de Nova Venécia, Orman Toscano, morreu na tarde desta quinta-feira (07), aos 86 anos. Enfrentando problemas de saúde há um tempo,...

Leia também

Em sete meses, asilos do Espírito Santo registram 100 mortes por Covid-19 entre idosos

  Entre abril e novembro deste ano, as Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI's) no Espírito Santo registraram 1.015 diagnósticos da Covid-19. O coronavírus...

Secretário justifica reabertura de escolas nos municípios de risco moderado: ‘Não é um ambiente altamente perigoso’

Antes da decisão, as escolas nos municípios desse grupo estavam proibidas de abrir, sendo autorizadas apenas as atividades remotas. Considerando a classificação mais recente...

Criada comissão para transição na prefeitura de Vila Pavão

O processo de transição da atual gestão municipal de Vila Pavão para a próxima administração, que assumirá a partir de 1º de janeiro de...

Risco baixo, moderado e alto: veja as restrições contra a Covid para cada grupo de municípios do Espírito Santo

  O Governo do Espírito Santo instituiu desde o dia 20 de março um mapeamento de risco que direciona as medidas a serem adotadas no...