Governo quer avançar em discussão sobre mercado de crédito de carbono

Compartilhe

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, disse nesta terça-feira (17) que o governo federal se prepara para dar mais um passo nas discussões relativas ao mercado de crédito de carbono. “Primeiro, criamos o mercado global. Agora, vamos criar o mercado regulado nacional, pra poder exportar créditos que tenham alta qualidade ambiental e que sejam importantes para gerar receitas a projetos de redução de emissões.”

Em entrevista ao programa A Voz do Brasil, Leite destacou que o país recebe o Congresso Mercado Global de Carbono, que acontece a partir de amanhã (18) no Rio de Janeiro. Segundo ele, o evento deve reunir 80 CEOs, mais de 100 casos empreendedores e cerca de 30 embaixadores nos próximos três dias. Durante o período, a pasta optou por transferir o gabinete para a capital fluminense.

“Não é só carbono. A gente vai falar de vários temas. Serão 24 painéis onde vamos poder debater com o setor privado um futuro verde pro Brasil, crescimento verde, geração de emprego e renda verde pro Brasil”, explicou.

Vantagens

Para o ministro, dentre as vantagens que podem levar o Brasil a ser um grande exportador de crédito de carbono estão suas características naturais e econômicas, que permitem, gerar créditos de diversas formas. “Você pode gerar crédito baseado em resíduos sólidos, aves, suínos, açúcar e álcool, aterros sanitários. Você pode tratar esse lixo orgânico e gerar crédito, pode gerar crédito de proteção florestal, de recuperação e conservação florestal.”

Além disso, segundo Leite, o Brasil possui um custo para geração desse tipo de crédito muito abaixo que o praticado em outros países. “Por isso, o Brasil, com certeza, irá se beneficiar desse mercado global e, agora, estamos desenhando o mercado regulador nacional, para ser um país exportador de crédito e para trazer receita extraordinária para projetos de baixa emissão de gases de efeito estufa.”

Desafios

Na avaliação do ministro, o grande desafio para que os setores apoiem essa mudança rumo à uma economia voltada para a sustentabilidade envolve a viabilidade econômica. “Quando você fala de energias renováveis, algumas ainda não são tão acessíveis”, destacou.

Para ele, o primeiro setor que deve se beneficiar do mercado regulado de carbono é o de floresta preservada, que envolve a conservação e a recuperação de vegetação nativa. Por características naturais. Isso porque o Brasil possui 560 milhões de hectares de florestas, sendo 280 milhões de áreas públicas e 280 milhões de áreas privadas.

“Outro setor importante é o tratamento de resíduos, onde você tem possibilidade de uma criação de projetos de redução de emissão baseados em resíduos orgânicos, especialmente da agricultura. Aí, você teria o que estão chamando de pré-sal caipira ou pré-sal verde, onde você pode gerar o seu próprio combustível.”

Assista na íntegra:

https://www.youtube.com/watch?v=/XGc6kO9IEGE

Governo quer avançar em discussão sobre mercado de crédito de carbono

Leia também

Polícia Civil prende homem suspeito de furtar materiais de uma obra em Jaguaré

As equipes das Delegacias de Polícia de Jaguaré e Vila Valério prenderam em flagrante, na tarde dessa quarta-feira (29),...

Preço da energia, vacina da gripe, economia verde, micro e pequenas empresas e sistema financeiro

No episódio desta semana (01), o podcast Giro Brasil 61 traz um dado que pesa no bolso do...

Combate ao Aedes aegypti precisa ser mantido mesmo nos dias de inverno

  Com a chegada do inverno, que começou em 21 de junho, o número de casos de focos de dengue deve...

Casagrande participará da inauguração da clínica de hemodiálise neste sábado (02), em Barra de São Francisco

A inauguração da Clínica de Hemodiálise de Barra de São Francisco, foi confirmada pela empresária Josi Lopes e...

ES: motorista confunde ré com acelerador e carro invade escritório de loja

  Um vídeo registrou o momento que um carro invadiu o escritório de uma loja, arrastou um sofá e,...

Governo Federal lança serviço inédito de emissão de alertas de desastres em parceria com WhatsApp e Robbu

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), lançou, em parceria com o WhatsApp e...

Embratur, MTur e Iphan se unem para divulgar e promover os patrimônios históricos do Brasil no exterior

O Governo Federal, por meio da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), o Ministério do Turismo...