Governo prevê mais 450 mortes por Covid-19 no Espírito Santo até o final de janeiro

De acordo com o secretário de Saúde, Nésio Fernandes, mortes deverão ocorrer se o número de óbitos diários se mantiver no mesmo patamar atual.

O secretario estadual de Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, em coletiva de imprensa. — Foto: Reprodução/YouTube

O secretario estadual de Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, em coletiva de imprensa. — Foto: Reprodução/YouTube

Maíra Mendonça, G1 ES

Caso a atual média do número de mortes diárias por Covid-19 se mantenha, pelo menos mais 450 mortes pela doença deverão ser registradas até o final de janeiro no Espírito Santo em razão da doença.

O cálculo foi apresentado pelo secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes, durante uma coletiva de imprensa na manhã desta sexta-feira (15).

Considerando que entre os dias 1º e 14 de janeiro o estado já contabilizou 369 mortes, segundo dados do Painel Covid-19, o Espírito Santo poderia chegar ao final do primeiro mês do ano com um total de mais de 819 mortes. O número está dentro do patamar que já havia sido previsto por matemáticos ainda no mês de dezembro.

De acordo com Nésio, o Espírito Santo tem demonstrado uma estabilização com uma alta média diária de mortes. Ao longo desta semana, por exemplo, o número de óbitos passou dos 30 todos os dias.

Ainda segundo o secretário, a tendência é que o alto risco de transmissão se mantenha.

“Nós mantemos um contexto de alta transmissão da doença no nosso estado. Temos tido três semanas epidemiológicas consecutivas de aumentos de casos observados. Temos uma expectativa de que a partir da próxima semana essa tendência de aumento de casos observados se mantenha”, explicou.

Nésio pontuou que o Espírito Santo continua sendo capaz de prestar atendimento a todos os pacientes que necessitam de atendimento, inclusive nas unidades de tratamento intensivo. Segundo o secretário, atualmente o estado possui uma média diária de 500 internações por Covid-19.

No entanto, existem cerca de 150 leitos de UTI vagos todos os dias. A expectativa é que mais 60 leitos desse tipo sejam disponibilizados até o final de janeiro.

Para agilizar e ampliar a capacidade de testagem do vírus, a partir da semana que vem os laboratórios privados do estado passarão a analisar amostras coletadas nas cidades da Grande Vitória. Com isso, de acordo com o subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, cerca de 4 mil testes poderão ser avaliados diariamente.

“O teste vai ser uma estratégia importante no monitoramento da doença mesmo com a vacina. A testagem permitirá uma avaliação da transição da pandemia (sobre a qual não temos controle) para uma endemia (sobre a qual temos controle)”, explicou.

Nésio Fernandes lembrou que neste final de semana a Anvisa deverá decidir sobre a permissão do uso das vacinas contra a Covid-19.

Luiz Carlos Reblin afirmou que, conforme o planejamento do governo estadual, as vacinas deverão já estar nos municípios cerca de 48 horas após terem chegado ao almoxarifado da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), que é responsável por fazer a distribuição das doses no território capixaba.

Após uma reunião com o Ministério da Saúde nesta quinta (14), prefeitos disseram que, de acordo com o ministro Eduardo Pazuello, a vacinação contra a Covid-19 começará em todo o país na quarta (20) da semana que vem.

Tanto o secretário quanto o subsecretário do Espírito Santo pontuaram que o estoque de seringas no estado é suficiente para atender à demanda. Neste sábado (16), uma remessa de 1,5 milhão de vacinas chegará ao estado. Até o final de janeiro, outras 4,5 milhões chegarão.

Durante a coletiva de imprensa, Nésio Fernandes voltou a frisar o fornecimento de 30 leitos para pacientes com Covid-19 da cidade de Manaus. A capital do Amazonas passa por uma grave crise de falta de oxigênio para atendimento). De acordo com Nésio, os atendimentos a pacientes capixabas não serão afetados.

O total de leitos que serão fornecidos representam 20% do total de vagas livres no estado.

No entanto, segundo o secretário, até o momento não existem amazonenses sendo atendidos no Espírito Santo. A previsão é que os pacientes cheguem no início da próxima semana.

“Ainda é necessário que Força Aérea Brasileira e o sistema de regulação do estado do Amazonas faça a devida seleção dos pacientes. Acreditamos que isso deva ocorrer a partir do final de semana e do início da próxima semana”, declarou.

 

Leia mais

Leia também