Governo estima gastos de R$ 620,5 bi em ações contra novo coronavírus

O governo federal gastou R$ 620,5 bilhões em ações contra o novo coronavírus. Desse total, pouco mais de R$ 588 bilhões deve afetar o déficit primário de 2020 e mais de R$ 31,5 bilhões devem impactar as contas públicas no ano que vem. As projeções foram feitas pela Secretaria Especial de Fazenda, do Ministério da Economia. 

De acordo com a Secretaria, a maior parte dos mais de R$ 31,5 bilhões diz respeito à compra das vacinas contra a covid-19, o que consumirá cerca de R$ 20 bilhões em créditos extraordinários do orçamento de 2021. O restante refere-se a restos a pagar para três pastas: a da Cidadania, da Saúde e do Trabalho e Previdência.

Senado deve votar em fevereiro MP que autoriza País a ingressar em consórcios de vacinas

Verão 2021: entenda as relações do calor com os casos de Covid-19

SP: Governo estadual confirma chegada de 5,5 milhões de doses da Coronavac no dia 24

Ainda segundo a projeção, a maior parte das despesas executadas em 2020 destinou-se ao pagamento do auxílio emergencial, que consumiu quase R$ 322 bilhões. Em seguida, veio o programa de socorro a estados e municípios, com desembolsos de R$ 60 bilhões. Em terceiro lugar, veio o programa de suspensão de contratos e de redução de jornada, com R$ 51,5 bilhões.

Por conta do estado de calamidade pública, a meta de déficit primário, que é o resultado negativo das contas do governo sem os juros da dívida pública, ficou suspensa. Os créditos extraordinários relacionados ao orçamento de guerra foram excluídos do teto federal de gastos.

Para o próximo ano, a meta de déficit primário aprovada pelo Congresso Nacional na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021 corresponde a R$ 247,2 bilhões para o Governo Central, que engloba Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central. Segundo o Ministério da Economia, a meta inclui os R$ 20 bilhões para a compra das vacinas.

Foto: Agência Brasil

Leia mais

Leia também