Governo do Haiti confirma que 28 mercenários estão envolvidos no assassinato de Jovenel Moïse


As autoridades haitianas informaram nesta quinta-feira que 28 pessoas estão envolvidas no assassinato do presidente Jovenel Moïse, das quais duas são americanas e 26 colombianas.

Durante uma transmissão pela televisão, o Diretor-Geral da Polícia, Leon Charles, especificou que dos 26 colombianos vinculados ao crime, 15 foram presos, além dos dois americanos, em um total de 17, informa a Telesul .

Ele também detalhou que três mercenários foram mortos nas operações. No entanto, eles já sabiam que o número era sete, e os demais estão sendo procurados. “Vamos levá-los à justiça”, enfatizou.

Horas antes, o Ministro de Eleições e Relações Interpartidárias do Haiti, Mathias Pierre, informou que dois cidadãos norte-americanos estão entre os detidos.

Em declarações ao jornal The Washington Post, o responsável indicou que um dos detidos foi identificado como James Solages.

Além disso, especificou que a Polícia Nacional possui um segundo detido de origem haitiano-americana que também estaria envolvido no crime, mas não forneceu o nome dessa pessoa.

Diversos vídeos veiculados nas redes sociais mostraram a participação da população na prisão de dois suspeitos do crime na comuna de Petión-Ville.

Essa situação ocorre em meio à crise política que atravessa o Haiti, na qual, segundo o ativista Lautaro Rivara, é necessário “traçar sua origem na ruptura da ordem democrática pelos próprios personagens que agora buscam sucedê-la”.

O assassinato do presidente Moïse ocorreu menos de três meses antes das eleições presidenciais e legislativas no país, marcadas para 26 de setembro.

Jovenal Moise

Jovenal Moise (Foto: Stringer . / Reuters)

Leia mais

Leia também