Golpe dos falsos precatórios faz pelo menos 20 vítimas no Espírito Santo

No golpe, os suspeitos entram em contato com a promessa de agilizar os processos na Justiça, mas, para isso, pedem que a vítima deposite uma quantia em dinheiro.

 

Médicos do Espírito Santo que têm precatórios a receber denunciaram à Polícia Civil um golpe que vem sendo praticado em vários estados. Nele, os suspeitos entram em contato com a promessa de agilizar os processos na Justiça, mas, para isso, pedem que a vítima deposite uma quantia em dinheiro. Uma das vítimas no estado perdeu quase R$ 15 mil. A informação é de Leandro Tedesco, da TV Gazeta.

Precatórios são títulos de dívidas do poder público reconhecidas pela Justiça. Quando alguém ganha um processo na Justiça contra um ente público, e tem valores a receber, recebe um precatório e entra na fila do pagamento.

De acordo com o Sindicato dos Médicos do Espírito Santo, cerca de 20 profissionais já caíram no golpe.

“Os golpistas têm todas as informações a respeito do processo. Com essas informações, eles argumentam com os autores, se passando por advogados, por tabeliães ou outros servidores da Justiça e convencem a esses depósitos nessas contas”, explicou o advogado do sindicato, Telvio Valim.

O médico perito Glício da Cruz quase caiu no golpe. Ele desconfiou porque o valor do precatório informado pelos golpistas era muito mais alto do que ele tinha a receber. Na ligação, o criminoso dizia ser do sindicato.

“Me pediu nome, confirmou meu nome, meu CPF, nome da minha mãe e disse ‘Olha, eu estou sabendo que o senhor tem ‘x’ para receber, que é o precatório para receber do plano Bresser’. Mas era quase oito vezes mais do que eu tinha para receber. Depois que eu depositasse uma importância no banco, esse dinheiro seria para as custas do cartório. Mas eu não sou menino, eu liguei para o sindicato e o advogado disse que era um golpe”, contou.

Um outro médico não teve a mesma sorte e foi vítima da farsa. Ele fez dois depósitos que somam quase R$ 15 mil.

Na conversa, por meio de um aplicativo de mensagens, o criminoso se passava por uma advogada e afirmava estar no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) para adiantar o processo, mediante o pagamento das quantias.

Os suspeitos falsificavam até a assinatura do presidente do Tribunal de justiça para convencer o médico a fazer o pagamento.

De acordo com o advogado do sindicato, além dos médicos, profissionais de outras áreas também estão sendo alvos desse tipo de crime. No site do Sindicato dos Médicos, um aviso foi colocado, alertando os profissionais. O caso vai ser investigado.

Criminosos se passam por advogados para que vítimas depositem dinheiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta
Criminosos se passam por advogados para que vítimas depositem dinheiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Criminosos se passam por advogados para que vítimas depositem dinheiro — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Leia mais

Leia também