Gestores devem tomar cuidado com a dispensa de licitação para combater a Covid-19

O estado de São Paulo possui, atualmente, 85% dos municípios em estado de calamidade pública por conta da pandemia da Covid-19. E para combater o avanço da doença, as Prefeituras do estado, com exceção da Capital, já destinaram mais de um bilhão de reais para contratações ajustadas com dispensa de licitação para o enfrentamento do novo coronavírus. O valor representa 68% do total de despesas, empenhadas entre os meses de março e junho.

A Lei 13.979 deste ano, estabelece medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da Covid-19 e em seu Artigo 4º, determina que fica dispensada a licitação para aquisição de bens, serviços e insumos de saúde destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus de que trata esta Lei.

Municípios paranaenses economizam 17 milhões após alertas do TCE- PR

Covid-19: 14 capitais apresentam nível de transparência de dados insatisfatório

Então, para evitar arroubos desordenados aos cofres públicos, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE/SP), por meio de comunicado direcionado aos gestores, elencou uma série de orientações específicas nas quais pede cautela e planejamento nas contratações, principalmente nos casos que envolvam dispensa de licitação.

O secretário de Planejamento e Gestão do município de Osasco (SP), Bruno Mancini, afirma que desde o início da pandemia da Covid-19, o município precisou recorrer a alguns instrumentos mais efetivos no combate à doença, como a contratação emergencial e a dispensa de licitação. Mas todo planejamento sempre foi realizado de forma criteriosa, analisando a necessidade real de cada compra ou serviço.

“No âmbito local, precisamos nos reorganizar, do ponto de vista de planejamento, e uma série de projetos e ações tiveram que ser sacrificadas por conta da pandemia. Determinados projetos que não tinham condições social e político de serem viabilizados nesse momento. Faz parte do planejamento, planejar como vai ser se tudo der errado”, ressaltou o gestor.

Karlos Gomes, Especialista em Administração Pública, destaca que esses procedimentos devem sempre ser acompanhados pelos devidos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas. A má utilização dos recursos pode causar um processo de responsabilidade ao gestor.

Por isso, esse tipo de contratação deve ser “muito bem elaborado, muito bem pensado, uma vez que pode ser objeto de corrupção; uma vez que os preços podem ser superfaturados; podem existir o direcionamento de licitações, o que é vedado pela legislação. Por isso, é muito importante que o gestor público justifique o caso concreto e evite utilizar da dispensa da licitação para compra de objetos que não contemplem a situação de emergência”, explicou o especialista.  

Foto: Kaique Rocha (Pexels)

Leia mais

RO: Cadastro para mapeamento cultural vai até 31 de agosto

Foi prorrogado até o dia 31 de agosto o cadastro cultural para artistas e espaços culturais no estado. Segundo a Superintendência da Juventude, Cultura,...

Em cumprimento de mandados judiciais, polícia prende três pessoas em São Gabriel da Palha

Foi realizada uma operação na tarde desta sexta-feira...

Expansão da rede de gasodutos pode colocar Rondônia na rota do gás natural

Após 20 anos de tentativas de expandir o mercado de gás natural em Rondônia, o combustível pode enfim chegar aos lares e indústrias locais...

Leia também

Bandido é preso após furtar clínica no centro de Mantena

O bandido já havia furtado a Clínica nesta  sexta feira, (18), a polícia esteve presente e  não conseguiu localiza-lo indo embora, porém o larápio ...

Carro capota e em seguida pega fogo em mais um acidente na reta do Maia, em Barra de São Francisco

Mais um acidente foi registrado na reta do Maia, em Barra de São Francisco, na madrugada deste sábado (19). De acordo com informações do Corpo...

Comandante-geral da PM realiza reunião de trabalho em unidades do norte e noroeste do Estado

Nesta sexta-feira (18), o Comandante-geral da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Douglas Caus, realizou reuniões de trabalho no 11º BPM em Barra de...

Brasil: delegado se nega a usar máscara e saca arma para fazer ameaças

Um delegado da Polícia Civil foi preso na...