George Monbiot: caso Pandora Papers reflete uma das bases do capitalismo


– Em análise publicada no The Guardian, o jornalista e escritor George Monbiot afirma que, “quando vemos os mesmos fenômenos acontecendo em lugares a milhares de quilômetros de distância um do outro, devemos parar de tratá-los como fenômenos isolados e reconhecer o padrão”. “Toda a conversa sobre ‘domar’ e ‘reformar’ o capitalismo gira em torno de uma ideia equivocada do que ele é”. “Capitalismo é o que vemos nos Pandora Papers”, destaca.

De acordo com o jornalista, “na Inglaterra, em 1847, estava no centro de um império cujos esforços capitalistas há muito haviam eclipsarado os portugueses”. “Por três séculos, ela havia sistematicamente saqueado outras nações: capturando pessoas da África e forçando-as a trabalhar no Caribe e na América do Norte, drenando uma riqueza impressionante da Índia e extraindo os materiais de que precisava para impulsionar sua Revolução Industrial por meio de um sistema de trabalho contratado, muitas vezes dificilmente distinguível da escravidão total. Quando Jane Eyre foi publicado, a Grã-Bretanha havia concluído recentemente sua primeira guerra do ópio contra a China”, diz.

“O financiamento desse sistema de roubo mundial exigiu novas redes bancárias. Isso lançou as bases para o sistema financeiro offshore, cujas realidades terríveis foram novamente expostas esta semana. Os ‘fundos ingleses’ eram simplesmente um destino para o dinheiro obtido pela economia colonial de consumo mundial chamada capitalismo”.