Frentista agredido por PM no Espírito Santo espera por desfecho do caso: ‘O que ele fez foi muito grave’ • SiteBarra

Frentista agredido por PM no Espírito Santo espera por desfecho do caso: ‘O que ele fez foi muito grave’

Agressão aconteceu em janeiro deste ano e, desde então, militar obteve sucessivas licenças médicas. O Processo Administrativo na Corregedoria da PM ainda está em andamento.

Por Naiara Arpini, G1 ES

O frentista Joelcio Rodrigues dos Santos, de 39 anos, que foi agredido por um policial militar no posto de combustíveis em que trabalhava, em Vila Velha, no Espírito Santo, lamentou a demora no desfecho do caso. Desde janeiro, quando a agressão aconteceu, o sargento da Polícia Militar Clemilson Silva de Freitas está afastado das funções após tirar sucessivas licenças médicas. Além disso, o Processo Administrativo Disciplinar (PAD) na Corregedoria da PM ainda está em andamento.

“É complicado, porque esse acontecido foi em janeiro, a gente já está em outubro e até agora não tem um desfecho dessa situação. Ele está recebendo o salário dele normalmente, a vida dele continua a mesma”, disse Joelcio.

Enquanto isso, o frentista precisou ser transferido e passou a trabalhar em outra unidade da rede de postos de combustíveis, por segurança.

Além da mudança do local de trabalho, Joelcio também passou a viver com medo. Segundo o frentista, no episódio da agressão, ele foi ameaçado pelo policial.

“Antes de acontecer isso, eu não andava com medo, eu podia ir para qualquer lugar, tinha direito de ir e vir sem me preocupar. Hoje em dia, fico mais preocupado, mais atento. Um rapaz desse é totalmente desequilibrado. Eu não posso estar em qualquer lugar, minha esposa fica assustada”, disse.

De acordo com a Polícia Militar, o sargento está respondendo a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) de rito sumário, que está em andamento na Corregedoria.

Além da investigação em âmbito administrativo, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJ-ES) também aceitou a denúncia que foi feita pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES), mas a primeira audiência do caso ainda vai acontecer no dia 24 de novembro.

“Eu espero que tenha algum desfecho logo e que ele seja punido pelo que ele cometeu. O que ele fez é muito grave. Se não tiver uma punição, ele pode fazer uma coisa pior”, disse Joelcio.

A agressão aconteceu no dia 23 de janeiro e foi gravada por uma câmera de videomonitoramento do posto.

As imagens mostram o momento em que o sargento, que estava fardado, dá um tapa no rosto do frentista e, em seguida, aponta a arma para ele.

Sargento Clemilson Silva de Freitas agrediu o frentista Joelcio Rodrigues em um posto de gasolina em Guarapari, em janeiro deste ano.

De acordo com o funcionário, o militar esteve no posto de gasolina no dia anterior e não gostou quando o frentista pediu para que ele descesse da moto para abastecer, um procedimento padrão no posto de gasolina.

Para denunciar o caso à Corregedoria da Polícia Militar, Joelcio relatou ter enfrentado dificuldades.

Desde o episódio da agressão, Clemilson obteve quatro licenças médicas e se manteve afastado da função recebendo o salário, conforme prevê a lei.

A primeira teve início no dia 28 de janeiro, cinco dias após a agressão ao frentista, e durou 148 dias. Já a segunda vigorou entre 24 de junho e 25 de agosto. Na sequência, ele obteve uma terceira licença, que terminou nesta terça-feira (27). No mesmo dia, ele passou por avaliação médica, e obteve a manutenção do afastamento por mais 60 dias.