França entra em 3° lockdown nacional para frear alta de casos de Covid-19


Por RFI – Desde as 19 horas deste sábado (03/04), regras mais restritivas para frear o avanço dos casos de covid-19 são impostas a todo o território francês. Haverá uma tolerância para o retorno do feriado prolongado de Páscoa, mas durante um mês a circulação de pessoas será limitada; as escolas e o comércio não essencial ficarão fechados.

Durante as próximas quatro semanas, os franceses só poderão circular livremente até 10 quilômetros de suas casas e somente até às 19 horas, quando começa o toque de recolher. Essas regras já eram respeitadas em 19 departamentos de vigilância reforçada e foram estendidas a todo o território a partir de hoje. As creches e escolas do ensino fundamental e médio serão fechadas pela primeira vez desde o confinamento na primavera de 2020.

Na região metropolitana de Paris, 6.600 policiais estão mobilizados para “garantir o cumprimento das medidas sanitárias”, anunciou a Secretaria de Segurança em um comunicado neste sábado. Eles estão particularmente atentos em multar as pessoas se reúnem em grupos de seis pessoas nas ruas, ou que consomem álcool ao ar livre. A interdição é uma das novidades do terceiro lockdown.

Diante desse novo “esforço” exigido dos franceses, as autoridades decidiram ser um pouco tolerantes e vão aceitar viagens interregionais até a noite de segunda-feira (05/04). A medida visa permitir que as pessoas que viajaram durante o feriado possam voltar tranquilamente para casa. A partir de terça-feira (06/04), somente as viagens essenciais serão possíveis além dos 10 km autorizados.

Com o fechamento dos locais de culto a partir das 19h, as vigílias da Páscoa foram adiadas para o início da manhã de domingo (04/04).

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

Uma mulher usando uma máscara protetora caminha perto do Arco do Triunfo enquanto a França enfrenta um surto de doença por coronavírus, em Paris

Uma mulher usando uma máscara protetora caminha perto do Arco do Triunfo enquanto a França enfrenta um surto de doença por coronavírus, em Paris (Foto: Gonzalo Fuentes – Reuters)

Leia mais

Leia também