FNO concederá créditos de até R$ 7,5 bilhões para empreendedores da região Norte

FNO concederá créditos de até R$ 7,5 bilhões para empreendedores da região Norte

O encontro foi presidido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho Foto: Ministério do Desenvolvimento Regional

O Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) distribuirá até R$ 7,5 bilhões para empreendedores urbanos e produtores rurais da região em 2021. O valor foi aprovado pelos representantes do Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), durante a 21ª Reunião Ordinária do colegiado.

O encontro, ocorrido nessa terça-feira (15), foi presidido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. “A Amazônia tem um enorme valor para o Brasil e precisamos dar oportunidades para um desenvolvimento sustentável da região. O FNO tem esse objetivo e permite que negócios e projetos possam ser implementados. Com ele, podemos incluir a população e prestar serviços para dar mais qualidade de vida.”

A superintendente da Sudam e secretária-executiva do Condel, Louise Caroline Campos Löw, destacou a importância de ações sistêmicas e multissetoriais que considerem a população no contexto do desenvolvimento da Amazônia. “Acreditamos que o desenvolvimento includente e sustentável que pretendemos deve perpassar também e, principalmente, pelas pessoas que vivem aqui em nossa região”, afirmou.

A previsão de aplicação dos recursos aprovada seguirá a seguinte proporção: 30% para Pará, 22% para Tocantins, 21% para Rondônia, 12% para Amazonas e 5% para Acre, Amapá e Roraima, cada. 

Essa programação pode ser revista a qualquer momento pelo Condel, à medida em que cada estado se aproxime da previsão estabelecida.

Infraestrutura

Parte dos R$ 7,5 bilhões disponibilizados para 2021, R$ 2,2 bilhões poderão ser usados no Programa em Apoio à Infraestrutura. Essa vertente visa a alavancar a atividade econômica regional com o financiamento de projetos de investimento em infraestrutura, sobretudo, por meio de Parcerias Público-Privadas (PPPs) nas áreas de saneamento, energia, portos, aeroportos, rodovias, ferrovias e hidrovias, entre outros.

“Para isso, é importante termos projetos estruturados de forma adequada, para que eles possam ser oferecidos à iniciativa privada e implementados. É uma oportunidade para levar desenvolvimento ao Norte do país”, apontou o ministro Rogério Marinho.

Por fim, a superintendente apontou o Plano Regional de Desenvolvimento da Amazônia como instrumento norteador de esforços conjuntos para a região. “É um plano não apenas da Sudam e do ministério, mas da Amazônia, feito em conjunto com a sociedade civil e com governos estaduais e municipais, que traz um diagnóstico da nossa região e 249 projetos economicamente viáveis e ambientalmente sustentáveis”, ressaltou Louise.

Leia mais

Leia também