Fiscal voluntário usa caderno para monitorar horários de ônibus e ajudar passageiros em Vitória

Ele atua no bairro Inhanguetá, na capital. Como ele está desempregado e não recebe nenhuma remuneração pela atividade, Pedro deixa uma caixinha para que os passageiros façam colaborações em dinheiro.

Por Elton Ribeiro, G1 ES e TV Gazeta

Embora os usuários do transporte coletivo da Grande Vitória contem com a tecnologia dos aplicativos para saber os horários dos ônibus e, mais recentemente, até a lotação dos coletivos, no bairro Inhanguetá, em Vitória, um monitoramento preciso e diário é feito “à moda antiga”. Com ajuda de um caderninho, um morador fiscaliza a frequência dos ônibus e informa os passageiros que aguardam por alguma linha.

O responsável por esse trabalho voluntário é Pedro Batista de Amorim, que já faz esse monitoramento há quatro anos. A ideia surgiu depois que ele ficou desempregado. “Algumas vezes eu ficava no ponto lá, às vezes, aqui. Aí comecei a marcar horário dos ônibus. Levei quase um ano para descobrir os horários”, disse.

Depois de tanto tempo observando o vai e vem dos coletivos, a experiência deixou as previsões cada vez mais precisas. “É ótimo, eu sempre pergunto. E bate direitinho [o horário]”, contou uma passageira.

Para fazer o controle, Pedro usa um caderno. Ele anota os horários que cada linha de ônibus passa pelo ponto. Assim, consegue informar os passageiros sobre os coletivos que já passaram e, também, qual é a previsão para que o próximo coletivo chegue. Faz questão de usar duas canetas, uma de cada cor, pra deixar o relatório organizado.

“Posso levar o nome de doido, que eu estou ficando maluco. Mas o que eu estou planejando, eu vou fazer”, disse Pedro.

Como o que ele faz é uma espécie de trabalho voluntário, sem remuneração, Pedro deixa uma caixinha para que os passageiros façam colaborações em dinheiro, como forma de ajudar e agradecer pela ajuda.

A família dele aprova a atitude. “É útil para todos. Qualquer um que chega aqui prestigia o trabalho que ele faz e o pessoal gosta dele aqui”, disse o irmão, Josimar de Amorim.

Apesar de não ser um emprego, o Pedro cumpre horário de trabalho. Chega às 5h da manhã, almoça e segue até as 17h30, de segunda a segunda. “Eu tenho prazer no que eu faço, porque a população é confiante no meu trabalho”, disse.

Procurada, a Secretaria de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana de Vitória informou que os horários do aplicativo Ponto Vitória, que fornece informações sobre os coletivos, estão corretos e são atualizados em tempo real por meio do GPS nos veículos.

Além disso, a Secretaria agradeceu a atitude voluntária do cidadão, “que age com empatia e gentileza em prol de sua comunidade”.

 

Leia mais

Leia também