Filha de veneciano é atacante do time feminino do Grêmio

Moradora do bairro Margareth, Dona Tereza Bonomo Riguette recebeu a neta para uma visita familiar nas últimas semanas

Neta da dona Tereza Bonomo Righette e do seu Miguel Riguette, que era mais conhecido como Miguelão, Nathane Cadorini Fabem, 30 anos, é uma das promessas do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. A atacante foi contratada pelo time no final do ano passado.

Nathane, que atuava no Hwacheon KSPO, da Coreia do Sul, se prepara para disputar o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, ainda sem data para iniciar, devido a Covid-19.

Filha do veneciano Eliezer Fabem e de Waldeia Cadorini Fabem, Nathane conta que tem muito carinho por Nova Venécia e que passou boa parte de sua infância, na casa dos avôs, no bairro Margareth. “Sempre estava lá, tenho muitas recordações boas do local”, revela.

» Dona Tereza Bonomo Riguette e a neta, Nathane Cadorini Fabem
» Em visita ao tio, Jânio Righette, Nathane trouxe a camisa do Grêmio
» Nathane é sobrinha e afilhada da advogada, Luciene Riguette

Carreira

Nathane começou a jogar futsal aos 18 anos, em São Mateus, local onde nasceu. Dali foi para o time de Barra de São Francisco, que foi quando a equipe disputou um campeonato em Pindamonhangaba, São Paulo. “Fomos campeãs, de lá fui chamada para jogar campo, no Iguaçu, em Ipatinga, Minas Gerais. Acabei me destacando e indo para o Atlético Mineiro, depois fui para Brasília. Decidi então, parar de jogar nessa época”, explica.

A atacante ficou três anos estudando e morando em Vitória, cursando a faculdade de Educação Física. “Nessa época eu participei de jogos estaduais e universitários, acabei me destacando no Campeonato Brasileiro Universitário, sendo artilheira”, conta.

Fazendo a diferença em campo, a neta da dona Tereza foi convidada a atuar na equipe do Iranduba, em Manaus. “Lá eu consegui fazer um bom trabalho, fui a primeira mulher a marcar gol em um estádio de Copa do Mundo. No outro ano, 2017 e 2018, fui jogar no Flamengo, no Rio de janeiro”, narra.

No ano seguinte, Nathane foi para o Ferroviária, no interior de São Paulo, e o time foi campeão no Campeonato Brasileiro. “Fomos vice na Libertadores e eu fui artilheira da competição, ficando a equipe em 3° lugar no Paulista”, diz.

Já no ano passado, atuando no KSPO da Coreia do Sul, a atacante também teve um excelente desempenho, sendo também artilheira do time, e deixando sua marca registrada por onde passa. Parabéns Nathane, muito sucesso e gols de sobra em sua carreira!

Fonte: Cintia Zaché / redenoticiaes


Leia mais

Leia também