Falso gerente da Caixa é preso por estelionato e falsidade ideológica em Nova Venécia • SiteBarra

Falso gerente da Caixa é preso por estelionato e falsidade ideológica em Nova Venécia

Agentes do Serviço de Inteligência do 2º Batalhão da Polícia Militar de Nova Venécia, no Norte do Estado, prenderam na tarde desta segunda-feira (10), no bairro Monte Castelo, um homem suspeito da prática do crime de estelionato e falsidade ideológica, ao se passar por funcionário da Caixa Econômica Federal. Segundo a PM, uma senhora de 73 anos acionou os policiais relatando que uma mulher que se identificou como “Tatiane Oliveira” teria feito contato telefônico com ela apresentando-se como ‘funcionária da Caixa’.

Segundo a polícia, a suposta funcionária do banco relatou que na conta bancária da vítima teria ocorrido diversas compras e saques de valores altos, o que “fugia da normalidade de seu uso”, e que por saber que a vítima era idosa e teria dificuldades de se deslocar até a agência bancária, que o próprio gerente  da Caixa iria pessoalmente até a sua residência a fim de coletar o cartão para averiguar a suposta anormalidade ocorrida dentro do banco.

A PM mandou que agentes à paisana se deslocassem à casa da mulher. Quando já estavam no interior da residência, os policiais ouviram uma pessoa do sexo masculino chamar no portão, identificando-se como suposto gerente da Caixa Econômica Federal e usando, inclusive, um crachá com a identificação de “Felipe Alencar Silva” e número de matrícula “500.762.838-75”. Segundo a PM foi nesse momento que o suspeito foi abordado pelos policiais, sendo constatado a prática do crime de falsidade ideológica. O suspeito portava um RG do Estado de São Paulo e confessou que estava ali para subtrair o cartão e demais dados bancários da vítima. O criminoso afirmou aos policiais que foi recrutado por meio de conversas de WhatsApp e disse desconhecer os demais envolvidos no golpe.

O suspeito declarou ainda que chegou em Nova Venécia na tarde do último domingo (9), por meio de um motorista do aplicativo Uber de prenome “Vitor”, e que este foi contratado pelos golpistas, ficando ambos hospedados no Hotel Hádria, em Nova Venécia. O bandido relatou que recebeu R$ 1000,00 por meio de duas transações PIX para sua conta no Banco Nubank, como pré-pagamento pelo serviço criminoso.

O Boletim de Ocorrência informa ainda que o suspeito reportou que estava recebendo ligações telefônicas dos criminosos, os quais lhe ameaçaram de morte. Buscas foram feitas com o objetivo de encontrar o motorista do Uber que também é suspeito de integrar a quadrilha, no entanto, sem êxito. Em contato com o Hotel Hádria, os investigadores foram informados que, de fato, os suspeitos se hospedaram no estabelecimento.

O preso foi conduzido para a Delegacia Regional de Nova Venécia para as providências cabíveis.