Ex-companheiros de Atlético-ES lamentam a morte do goleiro Ranule em acidente aéreo

Zagueiro Rhayne e o técnico Zé Humberto relembraram o convívio com o atleta, uma das vítimas fatais da tragédia que aconteceu na manhã deste domingo, em Tocantins

Por Richard Pinheiro , Globo Esporte

Com muita consternação, surpresa e tristeza o futebol brasileiro se despede dos quatro jogadores do Palmas-TO, o presidente do clube e também do piloto do avião de pequeno porte que caiu na manhã deste domingo, matando os seis ocupantes, no Tocantins. O Palmas estava indo para Goiânia, onde enfrentaria o Vila Nova pela Copa Verde 2020.

Dentre os mortos está o goleiro Ranule, de 27 anos. Campeão capixaba pelo Atlético-ES em 2017 e integrante da seleção do campeonato, o jogador havia acabado de ser contratado e sequer tinha estreado pelo Palmas, haja vista que testou positivo para a Covid-19 na semana passada.

A aeronave caiu momentos após decolar de uma pista de pouso no distrito de Luzimangues, em Porto Nacional, município localizado 60km ao sul de Palmas. O avião, onde também estavam os jogadores Lucas Praxedes, Guilherme Noé e Marcus Molinari, além do presidente Lucas Meira e o piloto, identificado apenas como ‘comandante Wagner’, tinha acabado de decolar e acabou atingindo o solo em um matagal logo após a cabeceira da pista.

Ranule e Rhayne se abraçam na conquista do título capixaba de 2017 — Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

Ranule e Rhayne se abraçam na conquista do título capixaba de 2017 — Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

E ex-companheiros do Atlético de Itapemirim, único clube que Ranule defendeu no Espírito Santo, lamentaram a tragédia que aconteceu, além de relembrar o convívio com o goleiro. O zagueiro Rhayne, que recentemente se aposentou dos gramados, revela que era ele quem dividia o quarto com Ranule da concentração e, muito emocionado, contou que o considerava um irmão.

– Ranule era um cara incrível, com uma serenidade, mansidão e humildade que só Eu só vi nele. Um cara do bem, que amava a família e Deus acima de tudo. Dedicado ao trabalho e amigo de verdade. Eu costumava chamá-lo de “Streetfight”, e ele me chamava de “Índio San”. A gente concentrava juntos, viajava lado a lado, íamos treinar juntos, saíamos com nossas esposas juntos. Era um irmão que Deus me deu em outra mãe!

“Ranule não precisava fazer muita coisa para que todos ao seu redor amassem a sua vida, bastava ser como ele era, aquele cara simples e do bem, de sorriso fácil e que era amigo de todos! Eu não perdi apenas um companheiro de “profissão”, perdi um irmão que Deus me deu. Vou sentir saudades do meu amigo.”

Zé Humberto, técnico do Atlético-ES — Foto: Richard Pinheiro/GloboEsporte.com

Zé Humberto, técnico do Atlético-ES — Foto: Richard Pinheiro/GloboEsporte.com

Treinador do time campeão naquele ano e uma das pelas chaves na conquista pelo perfil agregador e “paizão”, Zé Humberto também se mostrou muito triste com o ocorrido. Com palavras elogiosas, o treinador contou que considerava Ranule como um filho que acaba de perder.

– Um menino tão bom, educado, cabeça boa. Fatalidades da vida e da bola, vamos orar pra Deus confortar a família e amigos. Era um cara excepcional, exemplar, dedicado à família, os pais, a esposa, os filhos. Muito profissional, nunca deu trabalho. Sempre tentei contratar em todos os times que atuei, sempre esteve na minha lista. Perdi não só um atleta mas também um amigo, um grande profissional, a gente acaba tendo ele como um filho. É uma perda muito grande pro mundo do futebol. Pedir a Deus pra abençoar a família.

Kleber Viana (zagueiro) — Foto: Karen Porto/CA Itapemirim

Kleber Viana (zagueiro) — Foto: Karen Porto/CA Itapemirim

Capitão do Atlético de Itapemirim na conquista do Campeonato Capixaba de 2017, o zagueiro Kleber Viana também fez questão de exaltar o ex-companheiro de clube e também ressaltou a preocupação que tem com as rotineiras viagens que os jogadores fazem.

– Antes de qualquer coisa venho aqui prestar meus sentimentos a família desse amigo, companheiro de profissão, trabalhador e de grande caráter. Hoje vivemos mais um luto, não só com a perda do Ranule, mas como todas essas pessoas envolvidas nessa tragédia! Com mais essa tragédia vemos o tanto de risco que corremos com essas viagens.

“Tive o prazer de trabalhar com ele em 2017 numa campanha que foi inesquecível, e que no final foi coroada com título invicto da competição, sendo ele um dos grandes responsáveis por tal feito! Obrigado Ranule por ter me dado o prazer de te conhecer, de ter trabalhado contigo, e que papai do céu te receba em seus braços!”

Goleiro Ranule (de camisa branca e azul, ao fundo) comemora o título de campeão capixaba em 2017 pelo Atlético-ES — Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

Goleiro Ranule (de camisa branca e azul, ao fundo) comemora o título de campeão capixaba em 2017 pelo Atlético-ES — Foto: Divulgação/Arquivo Pessoal

 

Leia mais

Leia também