EUA condenam 1ª pessoa por invasão do Capitólio em janeiro


Sputnik – Anna Morgan-Lloyd, de 49 anos, do estado de Indiana, nos Estados Unidos, é a primeira pessoa condenada pela invasão do edifício do Capitólio por apoiadores do então presidente Donald Trump em 6 de janeiro. 

Morgan-Lloyd foi condenada a multa de US$ 500 (R$ 2500) e vai ficar em liberdade condicional por três anos. Durante este período, ela está proibida de possuir uma arma e tem de realizar testes de drogas. Além disso, é obrigada a cumprir 120 horas de serviço comunitário. 

“Gostaria de pedir desculpa ao tribunal, ao povo norte-americano e à minha família”, disse a mulher durante a sentença, citada pelo portal The Huffington Post. 

“Estava lá para mostrar apoio ao presidente Trump pacificamente e estou envergonhada que tenha se tornado uma exibição selvagem de violência, eu nunca teria estado lá se eu fizesse ideia que acabaria assim”, afirmou Morgan-Lloyd.

A condenada acrescentou que nunca foi sua intenção participar de algo “tão vergonhoso para o povo americano”. 

Morgan-Lloyd se declarou culpada de delito de desfile, manifestação ou piquete no edifício do Capitólio, uma acusação tipicamente enfrentada por réus que interrompem as audiências do Congresso após entrar legalmente no Capitólio e passar pela segurança. A mulher disse ao tribunal que percebeu que sua presença na multidão naquele dia permitiu que outros atacassem oficiais e quebrassem janelas. 

“Sinto muito por isso e assumo a responsabilidade. Nunca foi minha intenção incentivar as pessoas a agir violentamente”, declarou Morgan-Lloyd.

Em 6 de janeiro, os apoiadores do então presidente Donald Trump invadiram o edifício do Capitólio em Washington. Mais de 140 pessoas ficaram feridas e cinco morreram. As autoridades abriram mais de 170 processos judiciais.

Policiais americanos montam guarda enquanto apoiadores do presidente norte-americano Donald Trumb protestam em frente ao Capitólio em Washington.

Policiais americanos montam guarda enquanto apoiadores do presidente norte-americano Donald Trumb protestam em frente ao Capitólio em Washington. (Foto: Leah Millis/Reuters)