Estudantes aprendem conteúdos com jogo didático-literário Batalha Naval

A Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio (EEEFM) Fioravante Caliman, localizada em Venda Nova do Imigrante, trabalhou com os estudantes o jogo didático-literário Batalha Naval, com QR Code, tendo como base os períodos literários Parnasianismo e Simbolismo.

O principal objetivo com a dinâmica do jogo foi revisar os conceitos aprendidos durante os estudos nas aulas de Língua Portuguesa, utilizando a tecnologia com a proposta do QR Code (um código em formato de imagem convertida em textos, fotografias ou figuras, links, e-mails, entre outras informações).

A atividade foi desenvolvida pelo professor de Língua Portuguesa, Ailson Lovato. “Na dinâmica do jogo, cada código QR tem uma informação literária escondida, em formato de texto, sobre os períodos literários estudados. Pode ser uma característica do período, um autor, o título de um poema e até mesmo tarefas a serem seguidas como ‘Passe a vez’, ‘Equipe eliminada’, ‘Perdeu 1 ponto’ etc”, explicou.

Para realizar o jogo, os estudantes foram divididos em duas equipes: parnasianos e simbolistas, em que a cada rodada, um dos alunos utilizava um tablet para scanear o código QR e definir a qual período literário a característica pertencia, ou cumprir a tarefa apresentada.

Ao final, os alunos ganham um brinde como incentivo e pela participação na dinâmica. “É válido complementar ainda que alinhar os conhecimentos curriculares à tecnologia, na atual a situação de pandemia, motiva os alunos a frequentarem a sala de aula e contribui para o aprendizado deles de maneira mais lúdica e divertida”, disse Ailson Lovato.

A estudante Carolina Busato Moreira gostou da dinâmica. “Foi uma maneira divertida de revisar o conteúdo, utilizando a tecnologia em favor da aprendizagem”, afirmou.

O aluno Gabriel Bautz acrescentou ainda que “os jogos são um jeito mais fácil de aprender o conteúdo: jogando e aprendendo, porque, assim, o estudante distrai a cabeça e ao mesmo tempo está estudando.”

“Conforme preconiza a Base Nacional Comum Curricular é importante compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa e reflexiva para se comunicar, acessar e produzir conhecimentos, além de resolver problemas e exercer protagonismo com autoria na vida pessoal e coletiva”, destacou a pedagoga Ingrid Mendes Figer.

 


Leia mais

Leia também