Estados, municípios e DF recebem 1ª parcela de auxílio do Governo Federal

 

A primeira parcela de socorro federal a estados e municípios foi repassada nesta terça-feira (9). O valor de R$ 15,036 bilhões foi creditado pelo Banco do Brasil e se refere à parcela de junho prevista na Lei Complementar 173/2020, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro no mês passado.

Dos R$ 15,036 bilhões, R$ 9,25 bilhões serão repassados para os estados, R$ 5,748 bilhões para os municípios e R$ 38,6 milhões para o Distrito Federal. As próximas parcelas desse auxílio, também no valor de R$ 15 bilhões, serão creditadas em 13 de julho, 12 de agosto e 11 de setembro. Será, no total, cerca de R$ 60,15 bilhões.

O auxílio financeiro a estados, ao Distrito Federal e a municípios é para compensar a perda de arrecadação e garantir ações de saúde e assistência social por conta da pandemia do novo coronavírus.

Para terem acesso aos recursos, estados e municípios tinham de desistir de eventuais ações judiciais relacionadas à pandemia movidas contra a União. A condição está prevista no texto da Lei Complementar 173/2020 que regula o repasse, como explicou Ernesto Preciado, Coordenador Geral de Análise, Informações e Execução de Transferências Financeiras Intergovernamentais do Tesouro Nacional.

“A lei prevê que para os estados e municípios receberem esses recursos, teriam que desistir das ações contra a União, que têm um impacto financeiro para o Tesouro Nacional. Então, os municípios assinaram, preencheram uma declaração do Tesouro Nacional a cerca dessas ações. Quem tinha ações, fez a opção de renunciá-las ou mantê-las. De todos os estados e municípios, apenas cinco municípios não preencheram a declaração. Então, nesse primeiro repasse que foi feito, esses cinco municípios não receberam os recursos”, disse.

O prazo para preencher a declaração do Tesouro Nacional terminou no último domingo, 7 de junho, mas, segundo o secretário, esses cinco municípios ainda podem fazer a opção de desistir das ações contra a união para terem acesso aos recursos. São eles: Entre Rios (BA), São Gonçalo do Rio Abaixo (MG), Indiaroba (SE), Lupércio (SP) e Álvaro de Carvalho (SP).

“Se eventualmente eles vierem a assinar a declaração, nós faremos o repasse dessa primeira parcela junto com o segundo repasse”, afirmou o secretário.

Também como contrapartida ao recebimento dos recursos federais, estados e municípios ficam impedidos de aumentar despesas com pessoal e os salários de servidores públicos até o final de 2021. Os servidores públicos federais também deverão ter os salários congelados nesse período. Sem o aumento de despesa pessoal, estados e municípios gerarão uma economia de R$ 98,93 bilhões aos cofres públicos; e a União, de R$ 31,57 bilhões.

A lei garantiu recursos totais no valor de R$ 120,2 bilhões aos entes federativos por meio de repasses diretos (R$ 60,15 bilhões em quatro parcelas) e renegociação de dívidas com a União, bancos públicos e organismos internacionais (R$ 60,05 bilhões).

Leia mais

Barra de São Francisco sai do alto risco para o moderado e o comércio pode abrir normalmente nesta segunda (22)

Uma boa notícia para a população de Barra de São Francisco, principalmente para os comerciantes, pois pintou justamente neste sábado, 20/06/2020. É que o...

Governo mantém cronograma de leilões na infraestrutura

Primeiro leilão deve acontecer dia 28 de agosto. – Foto: Marcelo Camargo/Agência...

Projeto que altera dia de feriado tramita na Comissão de Legislação

A Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final...

Brasil chega a 1 milhão de casos confirmados de Coronavírus

O consórcio da imprensa divulgou há pouco que o Brasil superou a trágica marca de 1 milhão de casos de Covid-19. O total de infecções...

Leia também

Galpão de reciclagem da prefeitura de Boa Esperança é destruído em incêndio

Um incêndio por volta das 23h30 desta segunda-feira...

Defensoria Pública abre 43,5 mil processos para auxílio de R$ 600 negado

O número de processos de assistência jurídica abertos...

Governo adota medidas para ajudar setor elétrico e consumidores durante pandemia

Secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia, Rodrigo Limp A pandemia do novo coronavírus provocou redução no consumo de energia elétrica no...