Estados enfrentam dificuldades na compra internacional de produtos de saúde, afirma presidente do Conass

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula, afirmou que os estados têm enfrentado dificuldades na compra internacional de produtos de saúde. A alta demanda no mercado nacional desde o início da pandemia fez com que as gestões estaduais buscassem alternativas fora do Brasil, em países que são pioneiros na exportação de insumos de saúde, como China, Índia e nações membras da União Europeia.

Municípios devem ficar atentos ao desconto mínimo na compra de medicamentos

Em laboratório, antivirais contra Hepatite C conseguem conter Covid-19

Tratamentos experimentais contra covid-19 ganham força no Brasil

Como um dos principais entraves, Lula destaca a forte concorrência na aquisição de medicamentos e materiais hospitalares. 

“A compra internacional de produtos de saúde não é uma constante no Brasil. A pandemia nos levou com tudo para o mercado exterior. Foram tentadas compras na China, compras na Europa, na Índia. Parte delas fracassaram porque havia uma guerra internacional. Parte das compras, por exemplo, tiveram que parar em Miami e o governo dos Estados Unidos solicitou”, pontua.

As compras internacionais são feitas por meio de licitações e são divididas em quatro grupos principais: medicamentos, suprimentos médicos (ex.: álcool, seringa, gases, reagentes), equipamentos de tecnologia médica (ex.:respiradores, raio-x) e produtos de proteção individual (EPIs). Os principais artigos importados pelo Brasil neste momento são os de tecnologia médica e de proteção individual. 

Em reunião com o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, o presidente do Conass e secretário de Saúde do Maranhão apresentou a dificuldade dos estados. O Governo Federal afirmou que irá trabalhar em conjunto com o Ministério das Relações Exteriores e que já disponibilizou um diplomata para auxiliar a destravar as aquisições feitas de outros países.

“No Maranhão tivemos mais sorte porque boa parte dessas compras que foram feitas no exterior não foram feitas pelo estado, foram doações da rede privada, dos empresários maranhenses. Mas o Rio Grande do Sul, por exemplo, está tentando comprar o kit de intubação que está ausente no país inteiro, no Uruguai”, explica Carlos Lula. 

Burocracia

Além da alta demanda de vários países por produtos de saúde, a atual taxa de câmbio e o volume das mercadorias são outros empecilhos das compras internacionais. 

Na avaliação da professora de economia da PUC-SP e especialista em conjuntura econômica nacional internacional e globalização, Márcia Flaire Pedroza, a burocracia é mais um fator que dificulta a aquisição de insumos e medicamentos de fora do Brasil. Para Pedroza, deveria haver mais flexibilização da documentação exigida.

“Talvez o Ministério da Saúde podia assumir essas aquisições dos estados, em um grupo único, maior, o que propicia obviamente uma melhor negociação. Também o Itamaraty precisaria atuar junto às Câmaras de Comércio Internacional para facilitar o acompanhamento dessas compras e tentar reduzir, nessas negociações, as burocracias existentes principalmente referentes às importações”, pontua.

Para a advogada especialista em comércio exterior, Clarita Maia, o receio de alguns países em desabastecimento interno também é um dos limitadores para as importações de produtos de saúde neste momento de pandemia. “O principal desafio é a disponibilização de produtos médicos no mercado internacional. Por exemplo, a China, no início de abril, colocou a restrição de 150 respiradores por operação de exportação.”

Medicamentos

Em meio a reclamações de estados e municípios da falta de medicamentos e insumos, o Ministério da Saúde anunciou três medidas para mitigar o problema. A primeira frente de atuação é uma cotação junto à Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) para compra emergencial no mercado internacional. 

Outra ação foi a criação de uma requisição administrativa, que, segundo a pasta, possibilita o atendimento emergencial das demandas de estados e municípios. A terceira medida adotada pelo Ministério da Saúde foi a abertura do processo de pregão via Sistema de Registro de Preços (SRP). A intenção é proporcionar uma economia em escala e possibilitar a adesão de estados e municípios. 
 

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Leia mais

Seger prorroga período de inscrições do programa Jovens Valores e recesso de estagiários

A Secretaria de Gestão e Recursos Humanos (Seger) publicou, no Diário Oficial desta sexta-feira (03), o...

O TEMPO E A TEMPERATURA: Norte do país tem tempo aberto a parcialmente nublado e friagem, neste sábado (22)

A região Norte do país tem tempo predominantemente aberto a parcialmente nublado, neste sábado (22). A chuva diminui e se concentra, com trovoadas, no...

Jovem capixaba é resgatada em Minas Gerais após 5 meses em cárcere privado

O companheiro se diz membro de uma facção criminosa famosa e por isso conseguiu manter a vítima calada; há suspeita de que ela esteja...

Idaf participa de grupo de estudos em universidade

O papel importante do médico-veterinário que atua na defesa agropecuária do Estado, pelo Instituto de Defesa...

Leia também

Bandido é preso após furtar clínica no centro de Mantena

O bandido já havia furtado a Clínica nesta  sexta feira, (18), a polícia esteve presente e  não conseguiu localiza-lo indo embora, porém o larápio ...

Carro capota e em seguida pega fogo em mais um acidente na reta do Maia, em Barra de São Francisco

Mais um acidente foi registrado na reta do Maia, em Barra de São Francisco, na madrugada deste sábado (19). De acordo com informações do Corpo...

Comandante-geral da PM realiza reunião de trabalho em unidades do norte e noroeste do Estado

Nesta sexta-feira (18), o Comandante-geral da Polícia Militar do Espírito Santo, coronel Douglas Caus, realizou reuniões de trabalho no 11º BPM em Barra de...

Brasil: delegado se nega a usar máscara e saca arma para fazer ameaças

Um delegado da Polícia Civil foi preso na...