Espírito Santo não registra áreas de seca pela primeira vez em um ano

No mês em que completa um ano de adesão ao Monitor de Secas, coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA), o Espírito Santo pode comemorar. De acordo com os indicadores avaliados pelos validadores do mapa, não há registros de seca em território capixaba. O Estado não apresentou o fenômeno depois de 12 meses de seca leve a grave.

Com base nos indicadores, o mês de março foi marcado por chuvas acima da média no Espírito Santo, contribuindo para a extinção da pequena área de seca fraca que se apresentava no extremo norte capixaba. Com isso, o Estado é o único dos 12 acompanhados pelo Monitor de Secas que não registra o fenômeno em seu território.

A diminuição da intensidade do fenômeno começou a ser observada no início do ano, quando o Estado passou a registrar maiores índices pluviométricos logo após um período de estiagem, experimentada em 2019 especialmente na região noroeste.

Para o diretor-presidente da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), Fábio Ahnert, a chuva ajuda a abastecer as áreas de recarga hídrica. “Com vazões adequadas, os rios conseguem atender com mais equilíbrio às demandas ambientais, sociais e econômicas de água, por isso saímos do mapa da seca neste período”, avalia.

A melhora nas condições climáticas, no entanto, deve ser encarada com racionalidade, conforme pondera Ahnert. “A chuva dá um alívio, mas, infelizmente, não é garantia de segurança hídrica. É preciso somar o que a natureza nos dá ao uso racional do solo e da água, mesmo quando o recurso é abundante.”

O Monitor de Secas é uma ferramenta que traça um mapa mensal da situação da seca nos estados do Nordeste, em Minas Gerais e no Espírito Santo com base em dados meteorológicos, hidrológicos e agrícolas. A Agerh, o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a Defesa Civil e Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan) são validadores do mapa no Estado.

Panorama nacional

Com as chuvas de março, o Monitor de Secas registrou uma redução das áreas com seca no Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Piauí, Rio Grande do Norte e Tocantins.

Também houve a redução da gravidade das secas que acontecem em Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins. Em março deste ano aconteceram chuvas acima da média no Nordeste, com acumulados superiores a 100mm em relação à média em grande parte dos estados nordestinos. No Espírito Santo, Minas Gerais e Tocantins, as chuvas variaram de normal a um pouco acima da média histórica para o mês.

Por outro lado, em alguns pontos do noroeste e centro do Maranhão, sudeste do Piauí, litoral e Zona da Mata de Pernambuco, além do litoral sul da Bahia foram registradas chuvas abaixo do esperado para o mês. O mesmo aconteceu em março no centro de Tocantins, Triângulo Mineiro e sul de Minas Gerais.

O Monitor de Secas vem sendo utilizado para auxiliar a execução de políticas públicas de combate à seca e pode ser acessado tanto no site monitordesecas.ana.gov.br quanto pelo aplicativo Monitor de Secas, disponível gratuitamente para dispositivos Android e iOS.


Leia mais

Leia também