Espírito Santo: mais de 2,8 milhões de pessoas fizeram algum afazer doméstico em 2019

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad-Contínua), do IBGE, divulgou esta semana, a pesquisa sobre “Outras formas de trabalho”, na qual apresenta alguns dados sobre trabalho não formal, como os afazeres domésticos. A pesquisa aponta que 92,7% das mulheres e 80,1% dos homens realizaram afazeres domésticos em 2019 no Estado e que em média, 86,6% das pessoas de 14 anos ou mais de idade realizaram alguma das atividades de afazeres domésticos, seja no próprio domicílio, seja em domicílio de parente, o que corresponde a 2,8 milhões de pessoas. Em 2018, a taxa de realização de afazeres foi de 87,4%.

Ainda se mantém a diferença entre homens e mulheres. Assim, em 2019, 80,1% dos homens realizaram afazeres domésticos enquanto a taxa de realização de afazeres era de 92,7% entre as mulheres, uma diferença de 12,6 pontos percentuais, a mesma verificada em 2018. Contudo, esta diferença já foi de 21,4 pontos percentuais em 2016, caindo para 14,4 pontos percentuais em 2017, o que indica uma tendência de redução nesta diferença entre sexos.

Quando se observa a taxa de realização de afazeres domésticos por grupos de idade, no Espírito Santo, a realização de afazeres é maior entre os adultos de 25 e 49 anos (90,4% em 2019). A taxa é maior nessa faixa etária, tanto para homens quanto para mulheres.

Escolaridade – A análise por nível de instrução mostra que a realização de afazeres domésticos no domicílio ou em domicílio de parente cresce com o aumento da escolaridade. Assim, em 2019, no Espírito Santo, 89,3% das pessoas com ensino superior completo realizaram afazeres, enquanto, entre aquelas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto, a taxa de realização de afazeres foi de 84,4%.

Quando comparamos a taxa de realização de afazeres por nível de instrução e sexo, vemos que a diferença por nível de instrução é mais intensa entre os homens: no Espírito Santo, em 2019, a taxa de realização era de 77,8% entre os homens sem instrução ou com fundamental incompleto, chegando a 84,1% entre os homens com superior completo, ou seja, uma diferença de 6,3 pontos percentuais.

Entre as mulheres, essa diferença era menor: 90,9% das mulheres sem instrução ou com fundamental incompleto realizavam afazeres, proporção que era de 92,4% entre as mulheres com ensino superior completo.

Pais e filhos – Em 2019, no Espírito Santo, a taxa de realização de afazeres das mulheres seguiu elevada, sobretudo quando estas estão nas condições de cônjuge (96,9%) ou responsável pelo domicílio (95,7%). Os homens, quando responsáveis pelo domicílio, possuem uma taxa de realização de afazeres de 86,6%, próxima à taxa na condição de cônjuges (86,5%).

Cerca de 84,0% das mulheres na condição de filhas realizam afazeres domésticos. Já entre os filhos do sexo masculino esse percentual é mais baixo: 65,9%.

Pessoas ocupadas – A taxa de realização de afazeres continuou maior entre as pessoas ocupadas (88,4%) do que entre as não ocupadas (84,2%), no Espírito Santo em 2019, o que pode ter relação com a maior taxa de realização apresentada por pessoas de 25 a 49 anos, faixa etária em que a probabilidade de estar ocupado é maior, uma vez que entre os não ocupados tem-se jovens e idosos, que realizam menos afazeres. Contudo, entre as mulheres, a diferença de taxa de realização entre ocupadas e não ocupadas não é tão relevante (4,2 pontos percentuais) quanto é para os homens (10,2 pontos percentuais).

Pequenos reparos – As mulheres possuem uma taxa de realização maior que a dos homens em quase todos os tipos de afazeres domésticos, exceto em “fazer pequenos reparos ou manutenção do domicílio, do automóvel, de eletrodomésticos etc…”, cuja taxa, no Espírito Santo, é de 56,9% para homens e 36,6% para mulheres.

As maiores diferenças entre as taxas de realização por mulheres e homens estão nas atividades de: “cuidar da limpeza ou manutenção de roupas e sapatos” (34,2%) e “preparar ou servir alimentos, arrumar a mesa ou lavar louça” (27,8%).

Cuidados de pessoas – Em 2019, 30,4% das pessoas de 14 anos ou mais de idade realizaram cuidados de moradores do domicílio ou de parentes não moradores, o que corresponde a 992 mil pessoas. Em 2018, a taxa de realização de cuidados foi de 31,9%.

Entre 2018 e 2019, a taxa de realização de cuidados das mulheres passou de 36,2% para 35,2%, enquanto a dos homens passou de 27,3% para 25,1%. Continua expressiva a diferença entre homens e mulheres na realização de cuidados: 10,1% a mais na proporção de mulheres. Assim como para os afazeres domésticos, no Espírito Santo, em 2019, a taxa de realização de cuidados é maior para as pessoas de 25 a 49 anos (43,0%). Entre os jovens de 14 a 24 anos a taxa foi de 24,3% e entre os maiores de 50 anos, 17,0%.

O cuidado de pessoas (moradores ou parentes não moradores) tende a aumentar com o nível de instrução. Em 2019, no Espírito Santo, 24,1% das pessoas sem instrução ou com fundamental incompleto realizaram cuidados, enquanto 35,9% daquelas com superior completo o fizeram. Homens com ensino superior completo tinham taxa de realização de cuidados de 31,9% e esta taxa era menor nos níveis de instrução inferiores, caindo a 20,5% no caso dos homens sem instrução ou com fundamental incompleto.

No caso das mulheres, no entanto, a maior taxa de realização de cuidados ocorreu entre aquelas com ensino médio completo e superior incompleto (40,2%), seguida pelas mulheres com superior completo (38,3%) e as com ensino fundamental completo e médio incompleto (38,2%).

Assim como nos afazeres domésticos, a taxa de realização de cuidados é maior entre as pessoas ocupadas. Em 2019, no Espírito Santo, 31,8% dos ocupados e 28,3% dos não ocupados realizaram cuidado de moradores ou de parentes não moradores. Isto também ocorre para homens, cuja diferença de taxa de realização de cuidados entre ocupados (29,2%) e não ocupados (16,4%) é de 12,8 pontos percentuais. No caso das mulheres, estar ocupada ou não ocupada não apresenta diferenças na realização do cuidado de pessoas; a taxa de realização é a mesma (35,2%) tanto para mulheres ocupadas quanto não ocupadas.

Monitorar ou fazer companhia dentro do domicílio é a atividade mais frequente no cuidado dos moradores No Espírito Santo, a análise do tipo de cuidado realizado mostra que a atividade mais frequente, tanto para homens (91,5%) quanto para mulheres (95,2%), foi monitorar ou fazer companhia dentro do domicílio. A atividade com menor percentual de realização foi auxiliar nas atividades educacionais (70,5% e 78,8% para homens e mulheres, respectivamente).

Em todas as atividades de cuidado, o percentual de realização foi maior entre as mulheres. Merece destaque a diferença de percentual entre homens e mulheres na atividade de auxiliar nos cuidados pessoais (12,5%). Analisando a idade do morador que recebeu o cuidado no domicílio, observa-se que o cuidado ocorre predominantemente para crianças até 14 anos. No Espírito Santo, 54,0% das pessoas que realizaram cuidado, o fizeram para morador de 0 a 5 anos; 56,0%, para morador de 6 a 14 anos.

Leia mais

Reunião define funcionamento do comércio aos sábados

» A presidente da CDL, Célia Hoffmann, e o presidente da Ascon, Ednilson Zotelle ...

Qualidade de água consumida por moradores está sendo questionada em Água Doce do Norte

Wesley Pablo O aguadocense Wesley Pablo, morador do distrito de Vila Nelita, interior de Água Doce do Norte, utilizou seu perfil do facebook para questionar...

Covid-19 avança em todas as regiões do Brasil

A pandemia da Covid-19 segue sem dar sinal de desaceleração no Brasil. Na última semana epidemiológica, o coronavírus avançou entre todas as cinco regiões...

Fapes publica resultado homologado do 2º bloco do edital de combate à Covid-19

A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) publicou, nesta segunda-feira (01),...

Leia também

Mortes por Covid-19 apresentam queda de 8% no estado de São Paulo

O estado de São Paulo apresentou queda de 8% no número de mortes ocasionadas pela Covid-19. Entre 19 e 25 de julho, o estado...

Filho de sargento da PM é morto com tiro na nuca no Espírito Santo

  Um jovem de de 23 anos, filho de um sargento da Polícia Militar, foi assassinado com um tiro na nuca no bairro das Laranjeiras,...