Especialistas repercutem renúncia de Evo Morales

Após a renúncia de Evo Morales da presidência da Bolívia, o país amanheceu sem governante. Na avaliação do professor Juliano da Silva Cortinhas, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), esta é uma situação bastante complexa e grave.

“Mais uma vez temos um golpe de estado militar no nosso continente e isso, por si só, já é um evento bastante grave. É um evento gravíssimo. A renúncia é decorrente de uma pressão por meio da força sobre o Evo Morales, sobre o seus familiares, sobre seus assessores mais diretos; então é um golpe de estado que se dá de modo muito próximo do que ocorreu a partir dos anos 60, durante o contexto de Guerra Fria aqui na América do Sul também”, conta.

Em seu pronunciamento, Evo Morales disse que esse era um golpe de estado e pediu para que a Organização dos Estados Americanos (OEA) reconheça essa posição.

“Comunidade internacional, seja das Nações Unidas, da OEA ou da União Europeia, embaixadores, digam a verdade sobre esse Golpe de Estado. Ser indígena e ser de esquerda é outro pecado”, disse.

O professor da UnB Juliano da Silva Cortinhas ressalta ainda que a situação de Evo Morales é fruto de uma série de rupturas institucionais que já vem ocorrendo na Bolívia há alguns anos.

Já o sociólogo e cientista político Antonio Lavareda acredita que esta é uma intervenção extra constitucional.

“Não é um golpe militar clássico, mas é uma intervenção extra constitucional nítida. É fato que Evo Morales já vinha há algum tempo, afrontando também, por seu lado, as instituições; não respeitou o resultado do plebiscito convocado por ele próprio e insistiu em uma quarta reeleição”, relatou.

Também renunciaram Álvaro García Linera, vice-presidente do país, Víctor Borda, presidente da Câmara de Deputados, e Adriana Salvatierra, presidente do Senado.

Agora, cabe ao Legislativo escolher um novo presidente do Senado, para que ele possa acatar a renúncia de Morales e começar o processo de novas eleições. Além disso, pode ser que os legisladores definam uma espécie de “governo de consenso” até o fim do atual mandato, que vai até o dia 22 de janeiro, data prevista para a posse do próximo presidente.

Outra possibilidade é que partidos políticos e movimentos civis cheguem a um acordo em relação ao nome de algum senador que possa ocupar interinamente a presidência, enquanto o processo de novas eleições é realizado.
 

Crédito: Fotos Públicas

Leia mais

Especialistas avaliam que apesar da Covid-19, 2020 não foi um ano perdido para a educação

Durante a pandemia causada pela Covid-19, em que as pessoas precisaram se recolher dentro de casa, um triste cenário se repetiu por todo o...

Caixa mudará calendário da 2ª parcela de auxílio emergencial para evitar filas

Depois de beneficiários dormirem nas portas de agências...

Hospital universitário de Santa Catarina recebe novos aparelhos de anestesia

Novos equipamentos oferecem mais precisão para a execução das atividades, trazendo mais segurança para profissionais e pacientes. Foto: Ebserh O Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de...

Leia também

“Meu maior incentivador morreu, não deu tempo de ver a vitória”, diz o vereador eleito, Jorge Machado

Morador de Cristalina (DC), Josias Mendes Machado, 65 anos, mais conhecido como Jorge Machado, foi eleito com 306 votos. Pai de Eliete, Nilza, Jacilda,...

Justiça eleitoral define data da diplomação dos eleitos em Barra de São Francisco e Água Doce do Norte

A justiça eleitoral marcou para o dia 15 de dezembro a diplomação dos prefeitos, vice prefeitos e dos vereadores eleitos nos municípios de Água...