ES: mulher quase tem orelha decepada com mordida do namorado

Agressão aconteceu nesse domingo (12). Agressor foi preso pela Polícia Militar.

 

Por Daniela Carla e Luiza Marcondes, TV Gazeta e G1 ES

Uma auxiliar de serviços gerais de 32 anos, agredida pelo namorado, um pintor de 37, quase teve a orelha decepada com uma mordida.

O caso aconteceu na noite deste domingo (12) no bairro Jardim Carapina, na Serra, na Grande Vitória. O homem foi preso.

A vítima contou que o namoro com o pintor durou um ano e meio e foi marcado por brigas por causa de ciúmes dele, mas que nunca tinha sido agredida antes.

A mulher relatou que as agressões começaram depois dele ter bebido. Ele a acusou de traição e a espancou.

“Ele tava com os amigos dele no bar bebendo e, quando ele chegou em casa, eu fui na casa dele. Quando eu cheguei lá, ele começou a dizer que alguém falou que eu tinha traído ele. Ele começou a fazer as agressões. Eu não esperava. Dessa vez não teve nem discussão. Ele me deu muito soco, mordida, apertou meu pescoço”, contou a mulher.

Mulher foi agredida e teve orelha mordida por namorado

A auxiliar ainda contou que durante a agressão gritou para pedir ajuda aos familiares dela que moram perto da casa do agressor.

“Ele me agrediu mais ainda para eu poder parar de gritar. Eu pensei que eu fosse morrer. Em um momento cheguei a ficar tonta, mas se eu desmaiasse, ele iria me matar. Então, eu criei força para continuar me defendendo”, relatou.

A mulher contou que conseguiu fugir do namorado depois de dar um chute nele. Por causa do estado de embriaguez, ele caiu e ela conseguiu sair de dentro da casa.

Mulher foi agredida por namorado na Serra

Depois de fugir, ela pediu a ajuda dos familiares, que chamaram a Polícia Militar.

“Quando ele percebeu, eu já estava aqui no portão e ele disse que eu podia ir embora. Meu pai estava no portão e eu chamei ele. Quando eu comecei a chorar, a minha mãe veio e eu contei tudo que tinha acontecido e ela e minhas irmãs chamaram a polícia”, revelou.

A Polícia militar foi até o local e prendeu o agressor. O caso foi registrado no plantão da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Vitória.

A mulher agredida era amiga da auxiliar de serviços gerais Maria Madalena, de 38 anos, assassinada, em junho de 2019 pelo ex-marido na frente da família, quando seguia para o trabalho.

Ela contou que sempre disse para Madalena não ficar com o marido agressor.

“Na época que ela era agredida eu falava que tinha que tomar cuidado, que tinha que ir na delegacia. Ela foi , tinha Boletim de Ocorrência contra ele. Eu nunca aceitei, eu nunca concordei com agressão contra mulher”, conta a auxiliar, que nunca pensou que seria agredida.

Leia mais

Leia também