ES: mulher é presa em agência bancária ao tentar fazer transação de R$ 270 mil

A vítima é uma idosa, de 73 anos, do Rio Grande do Sul. A golpista é do estado de Goiás. O crime é investigado pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF).

Mulher é presa ao tentar aplicar golpe de R$ 270 mil em idosa do Rio Grande do Sul, no ES — Foto: Divulgação/ Polícia Civil

Por Daniela Carla, G1 ES e TV Gazeta

Uma mulher foi presa dentro de uma agência bancária, em Vitória, tentando fazer uma transferência de R$ 270 mil da conta de uma idosa de 73 anos, moradora de Curitiba, no Rio Grande do Sul. O crime é investigado pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF).

A golpista, de acordo com informações da Polícia Civil, é do estado de Goiás e teria vindo para o Espírito Santo apenas para aplicar os golpes.

Segundo o delegado-chefe da DDF, Douglas Vieira, essa prática de sair do estado de origem para fazer transações fraudulentas é comum em crimes de estelionato e tem o objetivo de dificultar a investigação da polícia.

De acordo com ele, a polícia foi chamada pela agência bancária, que desconfiou da transferência.

“Nós fomos acionados pela agência que desconfiou dessa transação porque a conta de origem era do Rio Grande do Sul. De imediato, nós nos dirigimos para o local e abordamos a suspeita na boca do caixa. Solicitamos que ela nos apresentasse a Carteira de Identidade e percebemos que o documento era falso”, contou Vieira.

A mulher foi levada para a delegacia. Durante o interrogatório, a golpista apresentou o nome verdadeiro, contou que é de Goiás e confirmou que veio ao Espírito Santo para praticar esse tipo de crime.

A estelionatária disse que foi contratada por um desconhecido e que receberia 15% de todos os golpes que realizasse.

Como funciona o golpe

Para a prática dos golpes, o delegado explicou que os criminosos entravam em contato com a vítima por telefone simulando ser atendentes de banco. Eles pediam números do documento de identificação, dados bancários e do cartão de crédito.

Depois disso, com posse dessas informações, o grupo falsificava o documento de identidade e pedia uma segunda via do cartão.

“A partir disso, eles se deslocam para outros estados para fazer essa transação para contas diversas”, informou Vieira.

Segundo a polícia, a idosa tinha quase R$ 1 milhão na conta corrente. A estelionatária foi pega quando tentava fazer a primeira transação, no valor de R$ 270 mil.

Com a estelionatária, a polícia apreendeu um celular e também uma agenda, onde foi verificado que ela treinava assinaturas para se passar pelas vítimas.

O delegado ainda orientou que correntistas não passem dados pessoais por telefone. Caso a pessoa receba uma ligação solicitando informações pessoais, é recomendado que entre em contato com o gerente da conta e relate a tentativa de golpe.

 

Leia mais

Leia também