Entrega de cestas de produtos orgânicos e agroecológicos cresce 136% na pandemia

As entregas de cestas ou encomendas de produtos orgânicos e agroecológicos na Grande Vitória cresceram em 136% em meio à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). Antes, a porcentagem de produtores de feiras livres e pontos de comercialização que realizavam entregas semanais era de 24%. Com o isolamento social imposto, 57% dos produtores passaram a realizar delivery, aumentando em mais de quatro vezes o número de entregas, de 312 para 1.354 por semana.

O resultado foi revelado pela pesquisa “Comercialização direta de alimentos orgânicos e agroecológicos na Grande Vitória mediante pandemia do Covid-19” coordenada pelos extensionistas do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Andressa Alves, Galderes Magalhães, Jaqueline Sanz e Rachel Quandt Dias. Os servidores tiveram o apoio e participação das associações de produtores, sindicatos rurais, movimentos sociais e extensionistas locais do Incaper.

A coordenadora técnica de Segurança Alimentar e Estruturação da Comercialização do Incaper, Rachel Quandt Dias, destacou que o aumento em mais de quatro vezes no número de cestas entregues trouxe muitas novidades e desafios para os agricultores familiares e pequenos produtores.

“Em pouco tempo os agricultores se adaptaram aos novos formatos de comercialização e logística de entrega dos produtos. Ficou claro que em meio à pandemia, mesmo com a suspensão das feiras agroecológicas, houve aumento no consumo de produtos orgânicos. Os canais virtuais como aplicativos ou mídias sociais ganharam força em meio à crise e certamente vieram para ficar”, disse Rachel Quandt Dias.

A pesquisa teve a participação de 103 agricultores de diferentes municípios do Espírito Santo, que correspondem a 87% dos produtores cadastrados nas feiras agroecológicas e pontos de comercialização direta na Grande Vitória. São diversos os produtos orgânicos disponibilizados aos consumidores in natura como frutas, verduras e hortaliças. Também são comercializados produtos da agroindústria familiar tais como mel, panificados, fubá, café, conservas vegetais e outros. 

“A maior parte dos agricultores fazia parte de organizações sociais e foram esses os que conseguiram responder de forma mais ágil e positiva aos impactos. Portanto, fica nosso apelo e orientação quanto a importância da organização social rural”, ressaltou a coordenadora técnica de Agroecologia do Incaper, Andressa Alves.

Produção durante a pandemia

Em relação à produção durante a pandemia, 68% dos produtores informaram que mantiveram ou aumentaram a produção dos alimentos. Em contrapartida, 32% relataram diminuição de produtos produzidos nas propriedades rurais. Sobre dificuldades de comercialização dos produtos, 71% dos agricultores informaram não tiveram perdas. Outros 21% relataram perdas acima de 25% da produção e 8% perderam mais da metade do volume produzido. A pesquisa ressalta que as perdas ocorreram principalmente em torno da terceira semana do mês de março, por ocasião do decreto com as medidas de enfrentamento da pandemia do novo Coronavírus.

A gerente de Assistência Técnica e Extensão Rural do Incaper, Jaqueline Sanz, afirmou que os agricultores se adaptaram rapidamente aos novos tempos e conseguiram superar dificuldades e desafios, inovando as suas formas de produzir, comercializar e disponibilizar alimentos saudáveis à população da Grande Vitória.

“Os resultados da pesquisa são fundamentais para conhecer as principais tendências de mercado e consumo, bem como as respostas e demandas dos agricultores. Mostrou também que a população, no período de maior isolamento social, se preocupou em manter seus hábitos alimentares buscando produtos saudáveis. A pesquisa também reforçou o papel crucial da agricultura familiar na produção e disponibilização de alimentos”, destacou a gerente.

“Para nossa satisfação, a maior parte dos agricultores entrevistados recebeu assistência técnica e desses, 80% são assistidos pelo Incaper, mostrando a importância do Instituto nas principais demandas tanto técnicas quanto de comercialização e organização social. Também nos deu grande alegria saber que o Incaper foi a instituição que, segundo os agricultores, mais esteve próxima no período de pandemia”, disse Jaqueline Sanz. 

Impactos socioeconômicos aos agricultores

A respeito dos impactos econômicos, a pesquisa revelou que a renda familiar diminuiu para 49% dos agricultores, 32% deles disseram que não sofreram alterações e 14% informaram que a renda aumentou. A redução da renda foi maior entre os produtores que deixaram de comercializar na Grande Vitória, sendo 8% dos entrevistados. Desses, 75% informaram terem perdido renda e 25% não tiveram alteração.

Aos produtores que relataram aumento da renda familiar, o acréscimo médio dos rendimentos foi de 24%, com variação de 10% a 70%. Para os que relataram perda da renda, a redução média foi de 39,5%, variando de 10% a 80%.

“Apesar das dificuldades, percebeu-se um otimismo entre os entrevistados. Há entre eles otimismo em relação ao aumento no número de clientes e também uma perspectiva positiva em relação ao aumento da renda familiar com a comercialização dos produtos orgânicos e agroecológicos”, pontuou o coordenador do Centro Regional de Desenvolvimento Rural (CRDR) Central Serrano do Incaper, Galderes Magalhães.

Texto: Andreia Ferreira

Leia mais

Transporte de eleitores para os locais de votação é proibido pelo TSE

Os eleitores que moram em áreas rurais e distantes das zonas eleitorais deverão contar com o transporte oficial credenciado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)...

Mais de 649 mil pessoas foram curadas de coronavírus no Brasil

Informações atualizadas até as 18h dessa quarta-feira (24) – Foto: EBC ...

Justiça do Espírito Santo determina que vídeo antigo de Casagrande em festa junina seja retirado do ar

Imagens foram registradas em 2017, mas publicadas como se fossem atuais. Para o juiz, a publicação apresenta 'a clara intenção de macular a honra'...

Prefeitura de Ecoporanga adquire cadeirinhas para transporte infantil

A Prefeitura de Ecoporanga, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, adquiriu novas cadeirinhas de segurança para o transporte das crianças nas consultas em...

Leia também

Cinco projetos de Minas Gerais foram selecionados para a etapa nacional do Inova Senai 2020

Minas Gerais está na final da mostra nacional do Inova Senai 2020. O estado, que ocupa o sétimo lugar no ranking geral do Índice...

Três projetos maranhenses estão na final da mostra nacional do Inova Senai 2020

Três projetos do Maranhão foram aprovados para a final da mostra nacional do Inova Senai 2020. O estado, que ocupa o vigésimo sexto lugar...

RS: Cinco projetos vão para a final da mostra nacional do Inova Senai 2020

O Rio Grande do Sul teve cinco projetos aprovados para a final da mostra nacional do Inova Senai 2020. O estado, que ocupa o...

Rondônia tem dois projetos selecionados para a final da mostra nacional do Inova Senai 2020

Rondônia tem dois projetos na final da mostra nacional do Inova Senai 2020. Um mecanismo para limpeza de sementes e uma máquina que carimba...