Entenda “superpedido de impeachment” contra Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é alvo de um “superpedido de impeachment”. Com 271 páginas, o documento alega uma série de motivos para destituição de Bolsonaro do cargo, que vão desde argumentos sobre ações que contribuíram para o avanço da pandemia e do número de óbitos em decorrência da Covid-19, até participações do presidente em manifestações e uma suposta “interferência indevida” na Polícia Federal.

O documento foi enviado ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, nesta última quarta-feira (30), por um conjunto de entidades, sindicatos, partidos políticos e juristas, que reuniram argumentos de outros 122 pedidos de impeachment contra Bolsonaro. 

Uma das principais motivações para o pedido de destituição de Bolsonaro é a recente denúncia apontada na CPI da Pandemia do Senado Federal, de que o presidente sabia de um possível esquema de corrupção no contrato de compra da vacina indiana Covaxin, como apontado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF).

Senadores da oposição apontaram no episódio um possível crime de prevaricação, que acontece quando um funcionário público “retarda ou deixa de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal”, segundo definição do Código Penal. 

Presidente da Câmara recebe de Paulo Guedes segunda parte do projeto de reforma tributária

Relator de MP que prevê renegociação de dívidas com fundos constitucionais articula derrubada de vetos do presidente
 

O pedido tem 46 signatários, que se uniram na proposição do documento mesmo já registrando antigos conflitos. Nomes como os dos deputados federais Kim Kataguiri, (DEM-SP), Joice Hasselmann (PSL-SP) e Alexandre Frota (PSDB-SP) assinam pedido de impeachment junto a partidos como PT, PCdoB e PSOL.

Também participam do “superpedido” representantes da Associação Brasileira de Juristas Pela Democracia (ABJD), da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e outras. Lira, porém, afirmou, durante a sessão do Plenário do mesmo dia do pedido, que 100% das solicitações de impeachment que ele já analisou “são inúteis para o que entraram e para o que solicitaram”. 

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil


Leia mais

Leia também