Enivaldo quer radar na baía de Vitória contra “racha marítimo”

Deputado Enivaldo dos Anjos

Depois de receber várias denúncias de abusos cometidos por navegadores em jet-skis e lanchas na baía de Vitória, o deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) disse nesta quarta-feira (29) que vai encaminhar à Capitania dos Portos uma solicitação para que sejam instalados radares de controle de velocidade de embarcações que trafegarem no mar em torno da ilha da capital. Dentre as denúncias, a de que são feitos “pegas marítimos” na região.

Para o parlamentar capixaba, o acidente com uma lancha domingo, numa área de circulação restrita, provocando a morte de uma mulher de 25 anos, acendeu o sinal de alerta para a necessidade de se adotarem medidas mais severas contra abusos em embarcações de lazer na baía de Vitória, “que colocam em risco a segurança não apenas de quem vai a bordo, mas de outras pessoas como pescadores e turistas que trafegam em percursos de observação”.

Depois que se pronunciou em plenário cobrando que a Polícia Civil inicie, imediatamente, a investigação da morte da mulher a bordo da lancha, o deputado Enivaldo dos Anjos disse que recebeu muitas denúncias: “São relatos de lanchas e jet-ski trafegando em alta velocidade, disputando corridas, além de bebedeiras a bordo e transporte de meninas menores de idade em baladas nessas embarcações”.
Enivaldo aproveitou para revelar que também recebeu denúncias de que são realizadas seguidas festas em casas luxuosas da Ilha do Frade e da Ilha do Boi, bem como em marinas de Jardim da Penha.

“Na Ilha do Frade o condomínio não permite piers de navegação, mas na Ilha do Boi existem. Nas marinas de Jardim da Penha é a mesma coisa e dali parte a maioria das embarcações para contornar a capital. E ninguém aparece para coibir essas festas de bacanas. É preciso que a lei seja aplicada a todos. As autoridades estaduais precisam se articular com a Marinha para, juntos, elaborarem um plano de fiscalização e ação contra abusos cometidos tanto na baía de Vitória quanto na baía do Espírito Santo, na orla de Camburi”, disse.

A maior preocupação de Enivaldo tem sido na demora da Polícia Civil de começar a investigar o acidente com a lancha no último final de semana. “Morreu uma pessoa. Isto não é competência da Marinha investigar, é da Polícia Civil. Quero saber quais as providências que o Chefe de Polícia está tomando para isso. Por que estão acobertando isso? É necessário até para tirar as dúvidas. O que aconteceu ali para que houvesse o acidente que matou a moça?”, questionou o deputado.

Leia mais

Leia também