Empresariado de Colatina conhece detalhes de linha de crédito emergencial do Bandes

Empresários do município de Colatina, de diversos segmentos se reuniram em um encontro on-line, nesta quinta-feira (01), para conhecer e tirar dúvidas sobre a linha de crédito recém-lançada com recursos do Fundo de Proteção ao Emprego.

O Fundo, com recursos do Governo do Estado e operado pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), contará com R$ 250 milhões direcionados para financiar empresas que foram prejudicadas pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). O diferencial da linha de crédito é a taxa de juros, praticamente inexistente, uma vez que os financiamentos apenas sofrerão correção pela taxa Selic.

A reunião foi organizada pela Prefeitura de Colatina. Durante a apresentação, o diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira, orientou sobre as formas de acesso ao financiamento, que deve começar a operar em abril. “Estamos ouvindo o empresariado para ajustar ainda mais esta linha aos anseios dos setores, para que ela cumpra seus objetivos de apoiar as empresas que tiveram sua existência ameaçada pela redução do fluxo de caixa, pela mudança do segmento onde atuam ou pela dificuldade de acesso ao crédito por causa de restrições”, explicou.

O secretário de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico, Tyago Hoffmann, que também participou do evento, afirmou que manter o diálogo com os setores é uma determinação do Governo do Estado e as agendas têm sido produtivas para que o poder público avance com ações assertivas neste momento. “O governador do Estado, Renato Casagrande, não tem medido esforços para buscar alternativas que possam amenizar os impactos da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) na economia capixaba e atender aos diversos segmentos atingidos”, destacou.

Hoffmann disse ainda que as medidas econômicas anunciadas recentemente vão dar suporte às empresas que passam por diferentes situações e que necessitam de crédito para superar este período. “O Fundo de Proteção ao Emprego, capital de giro, estimado em R$ 250 milhões, oferecerá, a partir de abril, crédito de maneira desburocratizada, sem juros e com prazo de carência de 12 meses para que o empresário tenha um fôlego a mais e possa manter seu negócio, seja ele um hotel, bar, restaurante, pousada, empresa de eventos sociais e culturais ou atividades esportivas. Garantir a manutenção dos postos de trabalho no Estado é uma das prioridades para a retomada econômica”, frisou.

Atendimento on-line

Até o momento, o Bandes tem sido procurado por empresas de todos os portes para informações sobre a linha em todos os seus canais. Para acessar o crédito, o interessado deve entrar no site do banco e preencher um formulário que será remetido à instituição para cadastro e análise a partir do início das operações da linha.

A linha de financiamento do Fundo de Proteção ao Emprego poderá financiar capital de giro em condições bastante atrativas, com prazo de até 72 meses para pagar, incluídos 12 meses de carência. A linha é considerada sem juros, uma vez que o recurso financiado só tem correção pela taxa Selic.

Participaram do encontro virtual representantes da Associação Empresarial de Colatina e Região (Assedic), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Sindicato dos Lojistas do Comércio (Sindilojistas), Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios (Sindivarejistas), Sindicato de Bares e Restaurantes (Sindbares) e Associação de Dirigentes de Bares e Restaurantes (Assbares).

Plano Espírito Santo — Convivência Consciente

O Fundo de Proteção ao Emprego é uma das iniciativas de enfrentamento que faz parte do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente, um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico, priorizando as pessoas, para reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia da Covid-19. São previstos mais de R$ 32 bilhões em investimentos dos Governos Federal, do Estado e do setor privado até o final de 2022. A estimativa é de que sejam criadas mais de 100 mil vagas de emprego.

O Plano apresenta sete eixos de atuação: Desburocratização; Medidas Tributárias; Crédito e Financiamento; Monitoramento dos Impactos na Economia; Aceleração dos Investimentos Públicos e Privados; Inovação e Tecnologia e Geração de Emprego e Renda.

O Conselho Gestor do Plano Espírito Santo — Convivência Consciente é formado pelas Secretarias de Economia e Planejamento (SEP); Mobilidade e Infraestrutura (Semobi); Fazenda (Sefaz); Governo (SEG), Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), que vão acompanhar de perto a implementação das medidas previstas no Plano.

Informações sobre linhas de financiamento:
www.bandes.com.br
faleconosco@bandes.com.br

Leia mais

Leia também