Empresa envolvida na morte do presidente do Haiti teria realizado atentado contra Nicolás Maduro


Sputnik Brasil – O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Jorge Rodríguez, mostrou provas em como o assassinato do presidente do Haiti poderia estar ligado ao atentado contra Nicolás Maduro em 2018.

Jovenel Moïse foi morto a tiros na quarta-feira (7) em sua casa em Porto Príncipe pelo que as autoridades haitianas descrevem como um comando de assassinos formada por 26 colombianos e dois cidadãos dos EUA.

Agora, Rodríguez declarou que em breve mostraria provas de que a empresa norte-americana CTU Security LLC, que contratou os mercenários para matar o presidente haitiano, também esteve envolvida no atentado contra Maduro.

Pouco após os acontecimentos de 4 de agosto de 2018, caracterizados por drones comerciais carregando explosivos militares, o presidente venezuelano acusou os autores do atentado de terem suas bases na Colômbia e que estavam ligados à oposição. Porém, as autoridades da Colômbia rejeitaram as acusações de Maduro.

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela chegou mesmo a afirmar que o presidente colombiano, Ivan Duque, se tornou “em uma verdadeira ameaça” para a paz da região.

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Jorge Rodríguez, informou que a empresa de segurança pertencente a Antonio Intriago estava envolvida em todos os eventos logísticos que levaram ao assassinato (de Jovenel Moïse), como resultado do grau de frustração no passado.

Até o momento, sabe-se que 20 dos 28 suspeitos do crime recente já foram presos – 18 colombianos e dois norte-americanos.

(Foto: REUTERS/Andres Martinez Casares)

Leia mais

Leia também