Em atualização de mapa de risco, Espírito Santo não tem mais cidades em risco baixo para Covid-19

Ao todo, 17 municípios estão em risco alto e 61 em risco moderado para o contágio de coronavírus.

Mapa de Risco Covid-19 no ES — Foto: Divulgação/Governo ES

Mapa de Risco Covid-19 no ES — Foto: Divulgação/Governo ES

O Governo do Espírito Santo anunciou, nesta sexta-feira (12), a atualização do 48º mapa de risco da Covid-19. O estado não tem mais mais municípios com risco baixo para a doença.

Na última semana, o estado tinha apenas um município com em risco alto. O mapa começa a valer na próxima segunda-feira (14) e tem validade de 14 dias para os municípios em risco alto.

“Não mais faremos avaliação a cada semana. O município ficará em risco alto por duas semanas que é o tempo das medidas mais restritivas terem efeito sobre a pandemia”, informou o governador Renato Casagrande em pronunciamento, nesta sexta-feira (12).

Ao todo, são 17 cidades estão classificadas com risco alto para a doença e os outros 61 estão em risco moderado.

O mapa é o que define as estratégias e restrições a serem seguidas por cada município para evitar o avanço da Covid-19.

Estão em risco alto: Vila Velha, Serra, Aracruz, João Neiva, Santa Teresa, Cachoeiro, Presidente Kennedy, Muqui, Afonso Cláudio, Brejetuba, Ibatiba, Águia Branca, Barra de São Francisco, Boa Esperança, Pedro Canário, Piúma e Vila Pavão.

Nesses municípios serão adotadas medidas mais restritivas. Estão suspensas aulas presenciais e o funcionamento de cinemas, teatros, espaços de lazer e de recreação infantil. Bares estão proibidos de funcionar e os estabelecimentos comerciais não poderão abrir aos domingos. De segunda a sexta-feira, o horário máximo de fechamento das lojas é 20h.

Mapa de Risco Covid-19 no ES — Foto: Divulgação/Governo ES

Mapa de Risco Covid-19 no ES — Foto: Divulgação/Governo ES

A matriz de risco de convivência considera no eixo de ameaça: o coeficiente de casos ativos por município dos últimos 28 dias, além da quantidade de testes realizados por grupo de mil habitantes e a média móvel de óbitos dos últimos 14 dias.

Já o eixo de vulnerabilidade considera a taxa de ocupação de leitos potenciais de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19, isto é, a disponibilidade máxima de leitos para tratamento da doença. A estratégia de mapeamento de risco teve início no dia 20 de abril.

 

Leia mais

Leia também