Em 2021, celebramos o início do ano do Bicentenário da Independência

No dia 7 de setembro de 1822, às margens do Rio Ipiranga, Dom Pedro proclamou a Independência do Brasil. Em 2022, celebramos o ano do Bicentenário da Independência.Para comemorar a data, o Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Comunicação Social, homenageia homens e mulheres de coragem, de valor e patriotas da nossa história.

A Semana da Pátria é a oportunidade para celebrarmos os heróis que defenderam nossa Honra, nossa Liberdade e nossa Soberania ao longo de toda a História. Parafraseando Ruy Barbosa: “A liberdade não é um luxo dos tempos de bonança, é o maior elemento da estabilidade.” Afinal, a Independência é um processo que nunca termina.

Conheça mais sobre os personagens históricos na série de homenagens no perfil da SecomVc nas redes sociais Instagram, Facebook e Twitter

D. Pedro II

Dom Pedro II 

Herdeiro do trono do Brasil, o imperador foi um defensor ferrenho das liberdades civis, continuando o legado que construiu a Nação Brasileira.

O monarca foi um dos primeiros a pensar na transposição do Rio São Francisco, para o desenvolvimento do Nordeste. Trabalhou pela unidade e pelo progresso da Nação desde o momento em que, para assumir o trono, teve sua maioridade declarada aos 14 anos.

Durante o reinado de Dom Pedro II, a Nação Brasileira distinguiu-se de seus vizinhos devido à sua estabilidade política e especialmente por sua forma de governo, mantendo-se uma monarquia parlamentar constitucional.onarca foi um dos primeiros a pensar na transposição do Rio São Francisco, para o desenvolvimento do Nordeste. Trabalhou pela unidade e pelo progresso da Nação desde o momento em que, para assumir o trono, teve sua maioridade declarada aos 14 anos.

D. Leopoldina

Dona Leopoldina

Convocou o Conselho de Estado em 02 de setembro de 1822 e, sob sua regência, foi assinado o decreto que declarava o Brasil separado de Portugal.

Leopoldina foi Arquiduquesa da Áustria, primeira esposa do Imperador D. Pedro I e Imperatriz Consorte do Império do Brasil de 1822 até sua morte, em 1826.

A proximidade do casamento com a Independência do Brasil fez com que se tornasse a primeira imperatriz do Novo Mundo.

O Conselho de Estado convocado por Leopoldina em 1822 marcou o início da soberania da nossa Nação.

D. Pedro I

Dom Pedro I

Declarou a Independência do Brasil em 7 de setembro de 1822. O Grito do Ipiranga está presente nos primeiros versos do Hino do Brasil.

Desde a chegada da família real portuguesa em 1808, o Brasil possuía grande autonomia política, mas esta se viu ameaçada por parte da classe política portuguesa na ocasião do retorno da família a Portugal em 1821.

Dom Pedro I assumiu a regência do Brasil em 1821, quando promulgou decretos que garantiam os direitos pessoais e de propriedade e reduziam impostos e gastos governamentais.

Após a Independência, foi aclamado Imperador no dia 12 de outubro e coroado em 1 de dezembro.

Sofrendo resistência das forças leais a Portugal, derrotou a todas até março de 1824.

José Bonifácio

José Bonifácio

Por seu papel decisivo na Independência do Brasil, em 11 de janeiro de 2018 foi declarado oficialmente Patrono da Independência do Brasil.

José Bonifácio foi ministro do Reino e dos Negócios Estrangeiros de janeiro de 1822 a julho de 1823, e desde o início colocou-se em apoio à regência de D. Pedro II, do qual foi tutor até 1833.

Além de sua atuação política, Bonifácio foi mineralogista e recebeu reconhecimento internacional ainda em vida por ter descoberto quatro minerais, incluindo a petalita, que mais tarde permitiria a descoberta do elemento lítio, e a andradita, batizada em sua homenagem.

Justino Alfredo

Justino Alfredo

Falecido em 12 de abril de 2021, na sua figura, homenageamos toda a Força Expedicionária Brasileira (FEB), que lutou na 2ª Guerra Mundial com os Aliados contra os regimes nazi-fascistas.

A FEB foi responsável pela tomada de Monte Castelo no dia 21 de fevereiro de 1945.

Na Itália, há sete monumentos que homenageiam as nossas tropas que lutaram pela liberdade do mundo ocidental.

Em abril daquele ano, a 148ª Divisão de Infantaria alemã rendeu-se incondicionalmente às tropas brasileiras.

Foi a única unidade alemã que se rendeu integralmente antes do armistício de 2 de maio, no palco de operações italiano.

Fernão Dias

Junto a Antônio Raposo Tavares, é um dos bandeirantes de maior renome – responsáveis por desbravar boa parte do nosso território.

No nome de Fernão Dias homenageamos a todos os bandeirantes que, em busca de riqueza e desenvolvimento, foram fundamentais no desbravamento do Brasil, dando-lhe os contornos que hoje possui.

Joana Angélica

 Joana Angélica

Primeira heroína da Independência, morreu ao ser atingida por um golpe de baioneta enquanto resistia à invasão pelas tropas portuguesas ao Convento da Lapa.

Ficou conhecida pela frase: “Para trás, bandidos! Respeitai a casa de Deus! Só entrarão passando por cima do meu cadáver!”

Reconhecida pelo ato de bravura ao final da vida, hoje sua imagem é reconstruída por historiadores que a pontuam também como mártir da fé.

Maria Quitéria

Maria Quitéria

Condecorada pelo Imperador Dom Pedro I com a Imperial Ordem do Cruzeiro, no grau de Cavaleiro, Maria Quitéria foi a primeira mulher combatente do Brasil.

Desde 1996, é a patrona do Quadro Complementar de Oficiais do Exército Brasileiro e, desde 2018, integra o Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria.

Tendo se alistado no Batalhão de Voluntários do Príncipe, é reconhecida pelos serviços prestados à Causa da Independência.

Alexandre Gusmão

Alexandre de Gusmão 

Diplomata português reconhecido por seu papel crucial nas negociações do Império Português com a Espanha.

Pela sua atuação na negociação do Tratado de Madri, que definiu os contornos territoriais da América do Sul antes da Independência, Alexandre é considerado o “grande precursor da Independência do Brasil”.

Também é considerado o “avô da diplomacia brasileira” – reconhecido como um de seus patronos, suas idéias foram importantes para solucionar questões fronteiriças do Brasil.

Sepé

Sepé Tiaraju

Chefe indígena dos Sete Povos das Missões, conhecido por lutar contra a desocupação das Missões Jesuíticas, defendendo a fé contra espanhóis e portugueses.

Na chegada dos espanhóis, declarou frase que até hoje inspira os brasileiros: “Esta terra tem dono!”

Também é considerado santo popular e reconhecido por lei como Herói Guarani Missioneiro rio-grandense.

Almirante Tamandaré

Almirante Tamandaré

Combateu nas lutas do Império, como as Guerras de Independência, a Confederação do Equador, a Guerra contra Oribe e Rosas e a Guerra do Paraguai.

Durante a Guerra da Cisplatina, destacou-se de tal maneira que, com apenas 19 anos, foi nomeado comandante de um navio.

Foi comandante das forças navais brasileiras na intervenção no Uruguai, onde serviu também como diplomata.

O Almirante Tamandaré foi nomeado Patrono da Marinha do Brasil e em diversos locais foram erguidos monumentos em sua honra, como o da Praia de Botafogo e o do Parque Ibirapuera.

No dia do seu nascimento, 13 de dezembro, comemora-se o Dia do Marinheiro.

Duque de Caxias

Duque de Caxias 

Serviu a Dom Pedro I e Dom Pedro II — a este último como mestre de armas, ensinando-lhe esgrima e hipismo, e tornando-se seu amigo.

Foi a única pessoa a receber um título de Duque durante o reinado de Dom Pedro II.

Foi designado como o patrono do Exército Brasileiro por incorporar o ideal de soldado, sendo a figura mais importante de sua tradição.

Duque de Caxias lutou contra Portugal na Independência do Brasil e em diversos outros conflitos.

É considerado o maior oficial militar da história do Brasil.

Brigadeiro Eduardo Gomes

Brigadeiro Eduardo Gomes 

Começou sua carreira militar servindo ao exército, ingressando na Força Aérea Brasileira logo que a mesma foi criada, em 1941.

Trabalhou na criação do Correio Aéreo Militar, que se tornaria o Correio Aéreo Nacional.

Também atuou na organização e construção das Bases Aéreas que desempenharam importante papel na defesa da soberania nacional durante a 2ª Guerra Mundial.

Durante as eleições presidenciais de 1945, eram vendidos doces para angariar fundos para apoiar sua campanha. Os mesmos que ficaram conhecidos pela sua patente: brigadeiros.

Patrono da aeronáutica, recebeu diversas homenagens nacionais e internacionais.

Os Caboclos

Os Caboclos 

Representam o Dois de Julho, data do último confronto entre brasileiros e portugueses pela Independência do Brasil.

A figura deles é símbolo da participação popular nas Guerras de Independência e o surgimento da nova nação, soberana e livre: o Brasil.

Representando a participação popular nesse processo, o caboclo e a cabocla fazem parte do panteão cívico brasileiro.