Eleições presidenciais no Peru são disputadas neste domingo entre esquerda e extrema direita


O Peru decide neste domingo (6) as eleições presidenciais. As campanhas foram encerradas em meio a temores de fraude. As autoridades eleitorais conclamam os candidatos, partidos e eleitores a respeitar e cumprir seus deveres de cidadãos em paz.

A campanha eleitoral em Lima foi encerrada com restrições devido à Covid-19, não podendo realizar atos com multidões na Praça San Martin, em pleno centro da capital. 

O candidato do partido Livre Peru, Pedro Castillo, conta com o apoio de amplas forças da esquerda e a simpatia de forças progressistas de fora do país. Na América Latina há a expectativa de retorno a um ciclo progressista. Caso vitorioso, Padro Castillo se somaria aos governos de Argentina, México, Bolívia, Nicarágua, Venezuela e Cuba na luta para que a região retome um ciclo virtuoso de democracia, soberania e progresso social. 

Sua adversária, Keiko Fujimori, defende posições de extrema direita e a reedição do governo de direita de seu pai, Alberto Fujimori, que se encontra preso. 

A campanha eleitoral do segundo turno foi marcada por um número infinito de mensagens difamatórias e indícios de fraude, principalmente de grupos extremistas, informa a Telesul.

Esses grupos implementaram nas redes sociais e na mídia local as comparações distorcidas entre a política peruana e outros governos da região e do mundo.

Tais ações foram denunciadas recentemente pelo partido Peru Libre, de Castillo, que apontou diretamente a mídia como participante de uma ação de possíveis golpes à democracia no país.

O presidente do Júri Eleitoral Nacional (JNE), Jorge Luis Salas Arenas, prestou declarações a uma mídia em que refutou os rumores de uma suposta fraude eleitoral, que considera uma ação fatal que visa semear dúvidas sobre os resultados.

“É uma fantasia séria falar de fraude neste momento e é prejudicar a democracia, é semear dúvidas com o intuito de reconhecer os resultados” Arenas.

Pedro Castillo e Keiko Fujimori

Pedro Castillo e Keiko Fujimori (Foto: Opera Mundi)