Eleição suplementar de Boa Esperança tem três candidatos para Prefeitura

 

A eleição suplementar de Boa Esperança, no Noroeste do Espírito Santo, que acontecerá em agosto, tem três chapas concorrendo à Prefeitura. São candidatos a prefeito Antônio José (Republicanos), Claudio Boa Fruta (DEM) e Fernanda Milanese (Solidariedade).

Em abril, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve o indeferimento ao registro de Romualdo Milanese (Solidariedade), candidato mais votado para prefeito em 2020, e uma nova eleição foi convocada para 1° de agosto.

O agricultor Antônio José (Republicanos), de 48 anos. Ele é divorciado, tem Ensino Médio completo. Ele foi vereador do município entre 2017 e 2020.

Antônio José forma chapa com o candidato a vice-prefeito Izael Marchiori (Republicanos).

O diretor de empresas Claudio Boa Fruta (DEM), de 47 anos. Ele é casado, tem Ensino Superior completo e foi candidato a prefeito na eleição regular de 2020.

Claudio concorre pela coligação dos partidos PP, MDB, PODE, DEM. Ele forma chapa com o candidato a vice-prefeito Lauro Vieira (PP), que já foi prefeito entre 2017 e 2020 e vereador por dois mandatos, entre 2005 e 2008 e entre 2013 e 2016.

A enfermeira Fernanda Milanese (Solidariedade), de 36 anos. Ela tem Ensino Superior completo e não concorreu a eleições anteriores. É casada com Romualdo Milanese, o candidato que venceu a eleição regular de 2020 e teve a candidatura indeferida.

Fernanda concorre pela coligação Solidariedade, PDT, PT, PSL, Cidadania e PSB. Ela forma chapa com o candidato a vice-prefeito Leandro da Silva Cardoso (PDT).

Desde 1º de janeiro a cidade é governada interinamente pelo presidente da Câmara de Vereadores, Renato Barros (Solidariedade).

Ainda no ano passado, Milanese teve seu registro indeferido pelo TRE-ES por inexistência de filiação partidária válida e dentro do prazo determinado por lei, que é de seis meses antes da eleição.

Milanese teve seus direitos políticos suspensos por três anos por improbidade administrativa.

Segundo o TSE, a grande questão deste processo era definir a partir de qual data deveria valer a suspensão dos direitos políticos. Se era a que constava na decisão da Justiça comum (que teria começado a valer em 19 de maio de 2017 e terminado em 18 de maio de 2020) ou do trânsito em julgado, que começou 25 de agosto de 2015 e teria expirado em 25 de agosto de 2018.

Caso fosse considerada a segunda data, Milanese estaria apto a concorrer a eleição quando formalizou a filiação ao partido político.

Em abril, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve o indeferimento do registro de Romualdo Milanese (Solidariedade) e convocou uma nova eleição para 1° de agosto.

Eleição suplementar de Boa Esperança, ES, tem três candidatos para Prefeitura — Foto: Heloise Hamada/G1

Eleição suplementar de Boa Esperança, ES, tem três candidatos para Prefeitura — Foto: Heloise Hamada/G1


Leia mais

Leia também