Dizer que os EUA são capazes de defender Taiwan é pronunciar palavras vazias, afirma Global Times em editorial

Compartilhe


“O presidente do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, General Mark Milley, disse na quarta-feira (4) que é improvável que a China continental tome uma atitude contra Taiwan nos próximos seis, 12 ou 24 meses. Mas ele também afirmou que a China está “claramente e sem ambigüidade construindo uma capacidade para fornecer essas opções”. Quando questionado se os EUA têm capacidade para “defender Taiwan”, Milley disse que “não há dúvida” de que os EUA têm capacidade para isso”, escreve o Global Times.

“O Departamento de Defesa dos EUA divulgou seu relatório anual sobre o Poder Militar da China na quarta-feira (3), alegando que as metas do Exército de Libertação do Povo Chinês para 2027 são desenvolver “a capacidade de conter os militares dos EUA na região Indo-Pacífico e obrigar a liderança de Taiwan à mesa de negociações nos termos de Pequim. “

Adam Schiff, o presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, pediu que o governo Biden seja menos ambíguo sobre o que chamou de obrigação dos EUA de defender Taiwan. 

As elites políticas americanas devem ser claras: se a China vai recorrer à força contra Taiwan isto não é determinado pelo fato de Washington fazer uma promessa explícita de defender Taiwan assim que uma guerra estourar. Ao contrário, o que determina isso é se as autoridades de Taiwan cruzam a linha vermelha e fecham a possibilidade de reunificação pacífica através do Estreito com ações secessionistas flagrantes. Assim que as forças separatistas levarem o continente a recorrer à força, a situação irá desmoronar.

É cada vez mais improvável que os militares dos EUA tenham força para derrotar o Exército chinês no Estreito de Taiwan. E mesmo que os Estados Unidos tenham a vontade de enviar um grande número de soldados e recursos para uma batalha de vida ou morte no Estreito, eles estão cada vez menos confiantes em uma vitória final. As discussões nos Estados Unidos sobre sua responsabilidade de “defender Taiwan” são apenas conversa, já que os recursos para apoiar a determinação de Washington estão diminuindo. Se os EUA querem assustar a China continental, eles terão que se encorajar primeiro e apostar em um conflito cara a cara com outra potência nuclear. 

Milley afirmou que Washington é absolutamente capaz de “defender Taiwan”. Mas ele se gabou da capacidade dos Estados Unidos, não da determinação. Os EUA devem ter se sentido ainda mais capazes de vencer a Guerra da Coréia, mas suas tropas foram chutadas de volta ao Paralelo 38 pelas forças chinesas. A diferença entre o poder militar dos EUA e da China hoje não é o que era há 70 anos: o poder de mísseis da China é claramente capaz de fazer as forças dos EUA que vêm ajudar Taiwan pagarem um alto preço no mar assim que uma guerra estourar. O mundo duvida há muito tempo se os militares dos EUA podem derrotar o Exército chinês nas águas costeiras da China, e menos ainda acreditam que ele tem vontade de travar uma luta de vida ou morte no Estreito de Taiwan.

Os EUA aplicam ambigüidade estratégica na questão de Taiwan e não prometem abertamente “defender Taiwan”, desta forma Taiwan é uma carta nas mãos de Washington. Assim que perceber que a situação está azedando, terá um jeito de recuar. Com um compromisso claro, os EUA se tornarão uma carta do Partido Democrático Progressista dos nacionalistas de Taiwan. Quando uma guerra irromper no Estreito de Taiwan, a retirada dos militares dos EUA significará que sua credibilidade entrará em colapso. Se não recuar, pagará um preço inacreditavelmente alto e se envolverá em uma guerra que nunca deseja sofrer.

A parte continental da China está intensificando os preparativos para uma luta militar no Estreito de Taiwan. Isso não prova nossa beligerância, mas nossa determinação de nunca permitir o secessionismo de Taiwan. A liderança do Partido Democrático Progressista de Taiwan tem falado da boca para fora. O mundo exterior está perguntando a eles cada vez com mais frequência: Depois que uma guerra estourar, por quanto tempo os militares de Taiwan aguentarão? Ninguém acredita nas bobagens de Joseph Wu, líder da autoridade de assuntos externos de Taiwan, de que ele mesmo “pegará uma arma” ou que os militares de Taiwan “lutarão até o fim”. É ilusão dos EUA tentar usar um compromisso assim chamado de sólido como uma rocha para mudar a tendência geral do Estreito de Taiwan”, finaliza o editorial.

Panorama de Taiwan

Panorama de Taiwan (Foto: Mídia chinesa)

Leia também

TSE e Telegram assinam acordo para combater desinformação nas eleições

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a rede social de troca de mensagens instantâneas Telegram assinaram hoje (17) um acordo para combater...

Secretarias de Limpeza Pública e Transportes e Estradas realizam serviços na Vila Santa Isabel e Vila Vicente

No dia 4 de maio a Prefeitura de Barra de São Francisco, através das secretarias de Limpeza Pública e...

Fase Regional dos Jogos Escolares terá estreia de handebol, vôlei e basquete nesta quarta-feira

No terceiro dia da fase regional dos Jogos Escolares do Espírito Santo (JEES), em Barra de São Francisco,...

Homem é preso após colocar fogo em viatura da PM em São Gabriel da Palha

A Polícia Militar montou uma operação na manhã deste sábado (14) para prender o homem que colocou fogo...

Dia da Vitória: Defesa ressalta participação do Brasil na 2ª Guerra

O Ministério da Defesa celebrou hoje (18), em cerimônia realizada no Rio de Janeiro, o Dia da Vitória...

Grupo Guidoni abre vagas de emprego para Barra de São Francisco e outras cidades; confira

O Grupo Guidoni, multinacional no ramo rochas ornamentais, materiais e soluções de revestimento, está com vagas abertas para: ...