Desde 2020, Anvisa proibiu 144 remédios naturais para emagrecer

Compartilhe

Na última semana, o caso da enfermeira paulista que faleceu depois de consumir um chá emagrecedor em cápsulas e teve hepatite fulminante tomou conta do noticiário. Segundo a família, Mara Abreu fazia uso de um composto com 50 ervas diferentes que promete “secar barriga e emagrecer”. O produto denominado “50 ervas emagrecedor” contém 60 cápsulas de 500 mg, custa R$ 9,23 e promete “emagrecimento sem dieta”. Segundo o rótulo, também combate gordura localizada, celulite, estrias, colesterol, diabetes e ansiedade.

Em levantamento feito a pedido do Metrópoles, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirma que, desde 2020 foram publicadas mais de 60 medidas preventivas e/ou cautelares de produtos similares ao “50 ervas”, usado pela paciente paulista. Os produtos faziam promessas milagrosas de perda de peso rápida. “As medidas incluem ações de recolhimento, apreensão, inutilização e proibição (de armazenamento, comercialização, distribuição, fabricação, importação, manipulação, propaganda e do uso)”, explica a agência.

Qualquer produto que diga ter alegações terapêuticas (calmante, emagrecedor, remédio contra a dor, etc.) deve ser autorizado pela Anvisa para ser comercializado no país. Os parâmetros para a aprovação de medicamentos são rígidos e exigem comprovação de eficácia e segurança por meio de pesquisas clínicas. Uma vez aprovados, os medicamentos só podem ser vendidos em farmácias e drogarias.

Os suplementos alimentares, de acordo com a agência, não são considerados medicamentos e, por isso, não podem ser vendidos com fins de tratar, prevenir ou curar qualquer doença. “Os suplementos são destinados a pessoas saudáveis. Sua finalidade é fornecer nutrientes, substâncias bioativas, enzimas ou probióticos em complemento à alimentação”, afirma a Anvisa. A categoria também precisa de registro na agência e é sujeita a fiscalização.

De acordo com a Anvisa, o produto “50 Ervas Emagrecedor” não poderia ser classificado nem como remédio e nem como suplemento alimentar, pois contém ingredientes que não são autorizados para o consumo sem uma dosagem adequada. A agência explica que componentes da fórmula, como chapéu-de-couro, cavalinha, douradinha, salsaparrilha, carobinha, sene, dente-de-leão, pau-ferro e centella asiática, poderiam estar presentes apenas em formulações de medicamentos fitoterápicos, que necessitam de registro.

Falência do fígado

Mara Abreu morreu ao rejeitar um transplante de fígado. A cirurgiã Liliana Ducatti Lopes, que atendeu a enfermeira e relatou a história nas redes sociais, diz que casos assim são mais comuns do que se imagina. Segundo ela, a fórmula do composto possui várias ervas conhecidas por serem hepatotóxicas, como chá verde e carqueja. “É muito bem descrito na literatura, há vários relatos e papers que mostram casos de hepatite fulminante causada por uso de chá verde”, afirmou a médica, em um vídeo compartilhado sobre o caso.

O consumo desse tipo de fórmula pode causar diversos problemas de saúde. A mistura de algumas ervas pode ser tóxica e a falta de controle sobre o que está dentro da embalagem é perigosa, uma vez que não há segurança sobre a quantidade de cada um dos ingredientes ou sua procedência.

Venda online

A Anvisa e o Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) criaram um projeto-piloto em parceria para monitorar a venda de medicamentos irregulares em plataformas de e-commerce no Brasil. A ideia é coibir a comercialização de produtos que podem fazer mal à saúde. O monitoramento ainda está em fase inicial e os resultados preliminares serão divulgados pela agência quando estiverem prontos.

De toda forma, a Anvisa reitera que o consumidor deve desconfiar de “produtos com propriedades terapêuticas” e sugere que se busquem informações sobre a existência ou não de autorização. “Produtos não regularizados na Agência não oferecem a garantia de eficácia, segurança e qualidade exigida para produtos sob vigilância sanitária. Sem esses requisitos mínimos, eles são considerados irregulares e representam um alto risco de dano e ameaça à saúde das pessoas. Desconfie de produtos com promessas milagrosas, que prometem emagrecimento fácil ou qualquer outro tipo de ação de tratamento, cura ou prevenção de doenças”, afirma o órgão.

 

 

Leia também

Espírito Santo tem vagas de estágio abertas com bolsas de até R$ 1.000

  O Espírito Santo tem vagas de estágio abertas para os níveis médio, técnico e superior. As bolsas de estágio...

Governo já lista argumentos para que novo presidente da Petrobras segure reajustes até a eleição

JULIA CHAIB E NICOLA PAMPLONA BRASÍLIA, DF, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Estagnado nas pesquisas de...

Respiradores

Olá, gente! Eu sou Fabi Costa, e estamos aqui para mais um episódio do podcast Onde tem SUS, tem...

‘Me senti um nada’, diz mãe de menina de 11 anos que teve aborto negado

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A mãe da criança de 11 anos que engravidou após ser vítima de...

Taxa de desemprego fica abaixo de 10% no Brasil, menor nível desde 2015

LEONARDO VIECELI RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A taxa de desemprego no Brasil recuou para 9,8% no...

BR-101 é totalmente interditada em Guarapari em decorrência de acidente, diz PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que em decorrência de um acidente ocorrido por volta de 18h40, a...

Novo Plano Safra 2022/2023 vai destinar R$ 9 bi à Amazônia Legal

O setor agropecuário amazônico vai contar com R$ 9 bilhões, oferecidos pelo Banco da Amazônia (Basa), por meio...